quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Gente da Nossa Terra

 BERNARDINO MACHADO

É mesmo daqueles tais:
a terra acima de tudo!...
Nasceu a ouvir o canudo,
não o largou nunca mais...

Este filho cá da gente,
tem a vida organizada
lá prós lados de Arreigada,
mas vive aqui permanente.

Tem o seu lugar cativo
no Clube Recreativo
desta terra que ele abraça!...

E jura com alegria,
também vir a ser, um dia,
um símbolo da nossa raça!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

São Sebastião

Uma fotografia do mártir São Sebastião. Uma estátua mandada erigir pela Comissão de Festas Sebastianas de 1992, no adro da Capela de São Francisco.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Banda de Freamunde ( XIII )

Em Novembro de 1936, assumiu a regência o sargento reformado da G. N. R., Miguel Moreira, em substituição de António Tavares da Silva Santos, entretanto radicado na cidade do Porto (em 1938, foi regente da Banda de Pinheiro da Bemposta).
Miguel Moreira fixou residência em Freamunde, numa casa de António Taipa Coelho de Brito, antigo industrial de peles envernizadas e sapataria, pai de Arnaldo e Ernesto Gomes Taipa, ali p'rós lados de Freamunde de Cima. Casou no dia 13 de Agosto de 1937 com Emília Coelho Teixeira, de Amarante. De três filhos, o primeiro, Fernando, nasceu cá. Ainda do velhinho livro de apontamentos de Américo Pereira Gomes, repleto de documentos felizmente recuperados, prontinhos que estavam, como tantos outros, a serem atirados para os domínios do esquecimento, descortinámos esta curiosa referência: «No dia 28 de Novembro de 1936, Miguel Moreira fez o 1º ensaio, à noite, tratado por 250$00 mensais, a principiar em Janeiro de 1937».
A Banda continuava a ser uma instituição respeitada, mantendo os seus homens a força galvanizadora de que se ufanavam.
Continuava a ser disputada para os principais arraiais, para importantes cerimónias. Sem a banda de música, os actos públicos não tinham o luzimentos que se impunha.
A vigência de Miguel Moreira à frente da banda (5 anos) coincidiu com um dos momentos mais áureos da mesma, sempre sequiosa de glória. Não são muito os registos, mas alguns, extraídos do "Heraldo", são por demais elucidativos quanto à real valia da banda que continuava a passear classe.
(...) 19-20-21 de Setembro de 1936: A Banda de Freamunde abrilhantou as importantes festas da Senhora da Ajuda, em Espinho, onde tocou com as mais afamadas bandas do país, sendo a mais ovacionada por todos os apreciadores presentes nos concertos.
Outro evento a que tivemos acesso durante as pesquisas sobre a vida musical da Banda de Freamunde, transporta-nos ao mítico "Carvalhal", em dia de festa, no longínquo ano de 1939.
(...) Em 2 de Abril, o "Carvalhal" engalanou-se para uma festa desportiva promovida pela Direcção do Freamunde Sport Club e que constou dum "match" de "football" entre o grupo local e o Pedrouços. Mas festa sem música não teria o brilhantismo desejado. Assim, pelas 14:00, deu entrada a afamada Banda Freamundense que, sob regência do maestro Miguel Moreira, interpretou trechos lindíssimos do seu vasto e requintado repertório. A execução, magistral, agradou por inteiro aos exigentes apreciadores.
Mas - e há sempre um mas...-, a cara não condizia com a careta. As condições disponíveis ao nível de instrumentos e fardamentos eram bastante precárias. Os uniformes mostravam-se desabotoados, rotos, sujos...Havia necessidade de melhorar a indumentária, sobretudo. Carolas? Existiam, alguns. Mas só abriam os cordões à bolsa cobrando uns juritos. A 8% ao ano. Até o padre Castro tinha "aberto os olhos". Ele e o Claudino "do Pacheco". Mas que abonavam sempre, lá isso abonavam!
Tanto assim, que por alturas do Santo António (13 de Junho) foi estreado um belo e novo fardamento, confeccionado na alfaiataria de Américo Pereira Gomes - está lá tudo bem expresso no livro que este ilustre freamundense nos legou e ao qual recorremos frequentemente -, exibido e passeado nas festas ao Mártir São Sebastião, do ano de 1939.
JOAQUIM PINTO - "ASSOCIAÇÃO MUSICAL DE FREAMUNDE - 190 ANOS" - 2012

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Uma imagem

Uma imagem do monumento ao soldado da paz, da autoria do escultor Manuel Pereira da Silva, inaugurado em 13 de Julho de 2007.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Jubileu sacerdotal de D. António Taipa

Entrevista a D. António Taipa, Bispo Auxiliar do Porto, publicada no Jornal Gazeta de Paços de Ferreira na edição de 4 de Agosto.
D. António Taipa foi ordenado padre a 15 de Agosto de 1966, na Sé Catedral do Porto, por D. Florentino Andrade e Silva, na altura Administrador Apostólico. Em 21 de Fevereiro de 1999 foi nomeado Bispo Auxiliar do Porto. A ordenação episcopal aconteceu a 18 de Abril de 1999, na Sé Catedral do Porto.
No próximo dia 15 de Agosto comemora o seu jubileu sacerdotal. 50 anos ao serviço da Igreja.
Imagens gentilmente cedidas pelo Jornal Gazeta de Paços de Ferreira

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Bombeiros Voluntários de Freamunde ( VII )

2.2 A QUESTÃO DO NOME
Instituída na povoação de Freamunde, concelho de Paços de Ferreira, por tempo ilimitado, a nova associação é baptizada como Associação dos Bombeiros Voluntários de Freamunde, logo no 1º dos seus estatutos.
Porém, desde há muito tempo que vem usando o termo Humanitária na sua designação, sem que de facto existisse documento jurídico que o suportasse. Nas actas de 1942, era dirigente o Padre António Alves Pereira de Castro, aparecem as primeiras referências à Associação Humanitária dos Bombeiros. Em 1948 é feita uma alteração aos estatutos, é o próprio Governador Civil que se refere à instituição como sendo a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Freamunde. Dadas as características e valores que este tipo de instituições defende, foi um nome adoptado sem qualquer oposição e correspondendo até à realidade. Aliás, até se pode dizer que nesse período, os bombeiros sem farda foram além dos seus objectivos quando, em Outubro de 1948, decidiram fazer assistência social ao promoverem "uma subscrição pública no sentido de angariar donativos para pagamento de passaporte do açoriano Manuel Cabral que vivia miseravelmente em Freamunde".
O nome da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Freamunde está hoje aprovado pelos sócios da instituição, por força da assembleia-geral de 28 de Setembro de 2004 que aprovou uns estatutos completamente novos.
Os Voluntários de Freamunde em frente ao quartel (Rua do Comércio)
2.3 A QUESTÃO DA DATA DA FUNDAÇÃO E DOS ANIVERSÁRIOS
Várias são as datas que marcam o início da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Freamunde, mas é no mês de Julho que sempre se comemorou o aniversário da instituição.
Se considerarmos fundação como o seu princípio puro e simples, pode então considerar-se o dia 28 de Outubro de 1928. Porém, se entendermos fundação como os alicerces ou os fundamentos de um edifício, então teremos de considerar o dia 9 de Fevereiro de 1929, data em que foram aprovados os primeiros estatutos da corporação de bombeiros de Freamunde. Ou então poderia ainda considerar-se o dia em que o Governo Civil passou o alvará que reconhece personalidade jurídica à instituição.
De facto, a instituição estaria fundada no dia em que teve as fundações para se auto construir, mas se não fosse dotada de um corpo de bombeiros operacional, era o mesmo que se não existisse. Daí que outros acontecimentos concorram para que sejam considerados como os da data de fundação: desde logo a primeira incorporação de bombeiros, que é posterior a 30 de Outubro de 1930, data em que são aprovadas pelos sócios as pessoas que vão fazer parte do conselho de incorporação; assim como a data da inauguração do seu quartel e dos seus meios. Em Freamunde, a data considerada para efeitos de comemoração do aniversário da corporação de bombeiros é esta última. Embora o primeiro quartel dos bombeiros de Freamunde, situado em São Francisco, tenha sido inaugurado e patenteado ao público a 13 de Junho de 1931, é no mês seguinte que se comemora o aniversário. A justificação para que tal suceda é o facto de ser no segundo fim-de-semana de Julho que se realiza, em Freamunde, um dos seus dois grandes acontecimentos anuais: as Festas Sebastianas. Em 1931 também assim aconteceu. Os dirigentes de então decidiram inaugurar e benzer o Pronto-Socorro, numa festa própria com um programa a rigor no dia da festa do Mártir São Sebastião. Estava assim o corpo de bombeiros pronto a construir o seu próprio edifício. Por várias vezes, a meados de Julho ainda nos anos 1930, a Liga enviou cartões de saudações desejando as maiores prosperidades pela passagem de mais um aniversário.
2.4  O CINQUENTENÁRIO
A direcção e comando da corporação de Freamunde já puderam festejar o cinquentenário da sua existência em casa própria. A 12 de Julho de 1980 foi organizada e realizada uma festa para qual foram convidadas cerca de centena e meia de pessoas.
O Comando solicitou à Liga dos Bombeiros Portugueses, para o Dr. Jaime Barros, presidente da direcção, a medalha de ouro - duas estrelas, pelos relevantes serviços prestados à associação. Pelo mesmo comandante, Carlos Felgueiras, e ainda com aprovação da direcção, por ocasião deste emblemático aniversário, foi assinada a ordem de serviço número 14 que determina que os comandantes das corporações de Felgueiras (José Júlio da Costa Guimarães), Lousada (Amílcar Abílio Leite Neto), Baltar ( Carlos Alfredo dos Santos), Paços de Ferreira (Francisco Pereira Lino) e Vizela (António Montenegro Mendonça Pinto) fossem considerados comandantes honorários da corporação de Freamunde.
 JOÃO VASCONCELOS - "BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE FREAMUNDE - 75 ANOS" - 2005

segunda-feira, 8 de agosto de 2016