sábado, 4 de julho de 2015

Elas aí estão!...

Há tantos anos a exaltar as "Sebastianas" nas páginas deste jornal, não encontro mais adjectivos para calassificá-las.
Daí, socorri-me de parte do prefácio do programa das festas de 1962 (que se enquadra perfeitamente na realidade actual), escrito pela pena de um dos maiores vultos da cultura local, Fernando Santos, para te convidar a visitar Freamunde de 3 a 14 de Julho, cumprindo a...TRADIÇÃO.
«TRADIÇÃO! E tudo é TRADIÇÃO!...Vês essas moças que na igreja rezam contritas e logo pecam no inefável torvelinho do folguedo? TRADIÇÃO!... Vês essas gargantas que riem gozosas ou que praguejam danadas e subitamente emudecem, pois vai o pálio a passar, para voltarem imediatamente aos seus desvairos? TRADIÇÃO!...Vês esse homem sério, pai de família exemplar, que não resistiu ao capitoso vinho e não atina com o caminho de casa ou com o do bom senso? TRADIÇÃO!... Vês esse pobre que pede? TRADIÇÃO!... Vês esse rico que nega? TRADIÇÃO!... Vês esse povo que canta, goza e se esquece que a vida é sofrimento? TRADIÇÃO!... Vês esse esforço ingente, este atrevimento de uma terra que a nada se furta para que haja "festa" e que tudo faz para que ela te agrade? TRADIÇÃO!...
Anda, daí, pois, forasteiro amigo! Vem folgar, rir, praguejar, beber, cantar, esquecer porque a festa és tu e, sem ti, não pode haver tradição!...»
JOAQUIM PINTO - JORNAL GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Sebastianas 2015

 Sebastianas 2015 • Freamunde • 3 a 14 Julho
As melhores festas do Mundo estão a chegar!
As Sebastianas começam esta 6ª Feira, dia 3 de Julho, e até dia 14 são preenchidas por um vasto programa, desde os concertos de música, à noite de bombos, passando pela marcha alegórica, as celebrações religiosas, a tão esperada “vaca de fogo”, os melhores Djs pela noite dentro e o sempre espectacular fogo-de-artifício!
Vão ser 12 dias de festa e estão todos convidados!
Orienta-te! Todos os caminhos vão dar a Freamunde!

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Banda de Freamunde ( IX )

As recolhas feitas nos periódicos da época não podiam ser mais elucidativas. Num deles é assim relatado o acontecimento: (...) Esta Banda, sem dúvidas a melhor do Norte do País, acha-se contratada para tocar nas seguintes Festas: Mês de Maio: Lordelo-Guimarães, e Medas- Gondomar; Mês de Junho: Viana do Castelo, S. Mamede do Coronado, Barrosas, S. Vicente do Pinheiro, Trofa, Luzim e Sobreira; Mês de Agosto: Laúndos, Santa Marta Portuzelo, Marinhas (com Banda de S. Tiago de Riba UI), Gandra ( com Banda da Infantaria), Mansores - Arouca (com Banda de Riba UI) e Macieira (com Banda de Moreira da Maia); Mês de Setembro: Viana do Castelo (com Banda dos Passarinhos), Paiva (com Banda dos Velbss) e Casais.
Foi ainda convidada para actuar em Espanha mas declinou o convite por falta de datas.
A Banda vai em breve denominar-se Banda dos Bombeiros Voluntários de Freamunde. "In Heraldo, nº 12, de 1930"
Esta intenção não passou disso mesmo e a Banda continuou a denominar-se "A Freamundense".
Ainda a propósito dum concerto, em Sobreira, a Banda voltou a "sair-se", sendo de novo premiada.
O correspondente do "Heraldo", na edição de 15 de Junho de 1930, noticiou assim o acontecimento: (...) 29 de Junho: Num certame musical, realizado na freguesia de Sobreira (Paredes), por ocasião das festas de S. Pedro, entre esta Banda e a de Revelhe (Fafe), alcançou a Banda Freamundense, sem dúvida a melhor Banda Marcial do País, mais um louro de glória, a juntar a tantos outros, pois foi-lhe conferido um prémio de grande valor artístico, "Uma Batuta de Marfim", com incrustações de prata e um diploma de honra. Estes prémios foram entregues pelos Organizadores do Certame, em Sessão Solene, na Associação de Socorros Mútuos Freamundense, Bombeiros Voluntários e muito povo. Freamunde vestiu de gala e ao som do ribombar de fortes bombarias e foguetes, à noite foi-lhes oferecido um lauto jantar no salão do Clube Recreativo.
Sem subsídios, sem apoios económicos, sem comedorias, pois a maior parte das vezes os contratos eram a "seco" (salvo raras excepções, que se traduziam no "mata-bicho", em pão e vinho...aqui e ali, quando "o rei fazia anos", um bacalhauzito desfiado com azeitonas, sopa e era um pau!), todas as despesas saíam dos bolsos dos músicos.
(...) Era cá uma "larica" que nem queira saber! - continuava a soltar-se a memória de Alfredo "Cherina", agora com algum sarcasmo.
Quando tínhamos de mexer no bolso, raras vezes nos alimentávamos. Um leitito...uma sopita. Eram as úlceras, sabe! Quando o "lanche" era por conta da comissão, até os trombones vinham carregados! A vida estava difícil, para alguns uma miséria franciscana, e tudo o que pudéssemos aproveitar não descurávamos.
Repare que, já exaustos e sonolentos, para pernoitarmos, pois vários contratos englobavam concertos por mais do que um dia, socorríamos dos celeiros, igrejas, interior da camioneta de transporte...onde calhava, onde nos deixavam! O casaco da farda servia de manta. Era assim que ultrapassávamos as contrariedades. Só o mestre e contra-mestre usufruíam do conforto das casas particulares.
Como deve perceber, quase sempre o calor apertava e sem tomarmos banho, sem mudarmos de roupa, o suor pegajoso a escorrer pelos corpos, o cheiro nauseabundo "especial", sobretudo dos maltratados pés, fazia-se sentir e, no ambiente, a impressão não era nada agradável. Então na missa cantada, não faltavam fiéis a apertar o nariz, tamanho o "bezum" que não largava o nosso uniforme.
O "Grupo Dramático de Teatro Freamundense" continuava a proporcionar espectáculos de beneficiência na Associação de Socorros Mútuos. A Banda, carente do vil metal e com alguns problemas pendentes para resolver a curto prazo, aproveitou a boa vontade demonstrada pelo ensaiador, Leopoldo Pontes Saraiva, e lá veio, no "Heraldo", tudo pormenorizado: (...) A Banda encerrou o espectáculo em seu benefício, com um nini concerto onde tocou árias das óperas "Cavalleria Rusticana" e "Aida". Concerto deveras sublime daquela que pode considerar-se uma das melhores Bandas do Norte do País".
Para a época de 1932, Eduardo Nobre Leitão voltou a encostar a batuta, colocando o lugar de regente à disposição. As razões nunca foram devidamente esclarecidas - pelo menos nunca foram do total conhecimento de Alfredo "Cherina", músico de então, que continuava a "falar pelos cotovelos" sobre a vida da Banda.
(Continua)
JOAQUIM PINTO - "ASSOCIAÇÃO MUSICAL DE FREAMUNDE - 190 ANOS" - 2012

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Uma perspectiva

Uma perspectiva da torre sineira da igreja desde o centro cívico de Freamunde.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Memórias

Uma belíssima fotografia da antiga Praça do Mercado, construída em 1898 e demolida em 1990 para o arranjo urbanístico no centro cívico de Freamunde. Um local que marcou dezenas de gerações de freamundenses. Era nesta praça que se realizavam os espectáculos de variedades das festas Sebastianas de outrora...Memórias.
Uma belíssima fotografia do nosso conterrâneo Joaquim Pinto.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Sebastianas 2015

As melhores festas populares do mundo estão aí à porta. Freamunde já começa a engalanar-se para as suas queridas festas. As suas queridas Sebastianas. As Sebastianas são a menina dos olhos dos freamundenses, que ano após ano se realizam graças ao árduo trabalho de doze meses dos festeiros. Os freamundenses por "elas" sentem orgulho como ninguém. Vive-as como ninguém...
Começa a ficar tudo pronto pra "elas" começarem. Sebastianas 2015, são já a seguir...