quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Textos sobre a cidade


FREAMUNDE
Minha cidade, meu cantinho
Onde o cheiro a rosmaninho,
Te dá aroma e beleza.
És a terra mais formosa
E também a mais ditosa,
No reino da natureza.
Minha cidade, meu cantinho
Te dedico meu carinho.
Em ambiente de festa
Por Deus foste a eleita.
Teu povo trabalhador,
Com suor tem seu valor.
Minha cidade, meu cantinho
Teu bairrismo é bem famoso
Teu Sebastião santinho
Traz de longe bem ditoso,
muito povo com carinho.
Minha cidade, meu cantinho
do concelho és a maior
na música, no teatro,
no bairrismo e na cor
nas romarias e na dor.
Minha cidade, meu cantinho
Quero-me sempre a ti juntinho!
ANA TOJAL - "ALMA FREAMUNDENSE"

domingo, 17 de agosto de 2008

Freamunde: "pormenores"

Para começar, este "Freamunde: pormenores", foi muito fácil e efémero...também, tenho e devo salientar que é-me particularmente difícil anunciar o vencedor, mas, o participante que mais pormenorizou o pormenor, foi sem sombra de dúvida o Nuno Leão, por isso declaro-o vencedor...de facto este pormenor pertence à garagem da antiga Casa do Povo, como demonstra a fotografia...agora, se é no início ou no final da Rua da Paz, não o posso confirmar...deixo essa confirmação para os mais entendidos...


Obrigado aos participantes...e parabéns ao vencedor, Nuno Leão.

Bem, agora vou até à cidade dos estudantes, vou apoiar o nosso Sport Clube de Freamunde.

Bem hajam e obrigado.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Freamunde: "pormenores"

Pormenores não faltam em Freamunde, nas ruas, nas casas, nos sítios, nas pessoas...A rotina dos dias faz com que muitos pormenores sejam ignorados. O que interessa é que há pormenores, e o mais bonito é quando as pessoas notam esses pormenores, e a verdade é que todos eles acabam por ser importantes, e há que admirá-los, olhar para eles e reconhecê-los...
Bom, como este blog é sobre Freamunde, e é de pormenores da nossa terra de que se trata, e o que eu pretendo, é levar Freamunde a todos os freamundenses, presentes ou ausentes, este é o primeiro "pormenor" que compartilho convosco...conseguem descobrir de onde ele é?...

A primeira pessoa a acertar na resposta terá o seu nome publicado, bem como a fotografia onde está inserido este "pormenor". Só serão válidas as respostas com o nome ou nick da pessoa que acertar na resposta...participa, este "pormenor" é muito fácil...
A imagem do post é da autoria de Nuno Leão, ao qual agradeço.
...ah, boas férias, se for caso disso!

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Freamunde, 11 de Junho de 1983 - Início da Toponímia de Freamunde

No dia 11 de Junho de 1983, pelas 10 horas, concentração no Largo de São Francisco para início da Toponímia de Freamunde com a participação dos Bombeiros e da Banda de Freamunde.


Critério seguido pela Comissão Toponímica, nomeada para o efeito, na atribuição de nome de rua das personalidades.
"Destacar nomes entre os filhos da Vila de Freamunde e os que, daqui não sendo naturais, a ela souberam e quiseram dedicar o melhor do seu esforço, trabalho, inteligência, saber ou siples boa-vontade para que esta conhecida terra da Chã de Ferreira experimentasse o progresso que a tornou digna do respeito de todos, não é tarefa que se possa considerar fácil e - disso temos plenamente consciência - corre o risco de, por ingrata, se tornar passiva de censuras e reparos de que, nós próprios, poderemos ser os primeiros a considerar justos. O conhecido bairrismo exacerbado dos freamundenses tem feito, através dos tempos, de cada um deles pedras importantes deste soberbo edíficio de Trabalho e Dignidade que se chama Freamunde. Nada mais justo que os seus nomes ficarem, para todo o sempre, a lembrar os vindouros que, superior a todos os mesquinhos interesses materialistas da moderna sociedade, está o amor à terra onde nascemos ou que nos acolheu com desvelo de mãe. Mas para tal, para que justiça fosse feita e a nossa dívida ficasse saldada, não era de uma Vila que necessitávamos, mas sim de uma Metrópole com milhares de ruas, praças e avenidas. Ainda não é Freamunde - perdoe-se-nos a ousadia e impertinência do sonho - e esta terra, desde logo, uma das muitas limitações que nos tolhiam o querer. Limitou-nos, também, a certeza de que um Freamunde existem nomes a merecerem ser perpetuados e que outros merecedores dessa perpetuidade hão-de continuar a surgir e se nos impunha o dever de lhes reservar lugares condignos para uma futura consagração. Limitou-nos o conhecimento das gentes e a memória do povo, o que nos circunscrevia a um espaço no Tempo de muitas reduzidas dimensões. Impunha-se, pois, seguir, rigidamente, um critério, mesmo enfrentando a injustiça do esquecimento de ilustres freamundenses de muitos ou poucos séculos atrás; mesmo calando, amargamente, a saudade de figuras inesquecíveis que, ainda hoje, nos parece vermos passar a cada instante; mesmo afastando e tentando fazer desvanecer os adoráveis fantasmas que nos povoam a mente e nos preenchem os sonhos...E logo impusemos para esse critério:

- Só homenagear os que a morte já levou;
- Não esquecer os que foram causa e razão directa da elevação de Freamunde a Vila, como os pioneiros das suas indústrias na época e os obreiros do processo dessa elevação;
- Incluir os membros da Junta de Freguesia de Freamunde na data desse acontecimento, mesmo abrindo uma excepção à primeira norma desse critério, o que é para todos motivo de muita satisfação;
- Destacar os que, de alguma maneira, se impuseram em Freamunde ou fora pelo seu Saber, Invenção ou Arte;
- Agradecer aos que promoveram o aparecimento das suas instituições ou serviram de abnegado suporte à sua continuação e engrandecimento.


Este critério e as limitações atrás apontadas ditaram-nes a lista que a seguir indicamos o para a qual em nada pesou a categoria social, o perfil económico ou a ideologia política dos ilustres visados. Estamos prontos a reconhecer qualquer falta, qualquer esquecimento ou injustiça que neste trabalho possa existir, pois termos a consciência plena de nos termos esforçado por acertar. O mundo não acabará e a todo o tempo se poderá resgatar uma falta por nós praticada, assim como incluir muitos outros nomes bem merecedores do reconhecimento de todos os Freamundenses e que o critério adoptado nos impediu de o fazermos já. Foi muito moroso e difícil trabalho executado com alegria, com humildade e, sobretudo com medo..."

Freamunde, 17 de Maio de 1983
A Comissão:
Alfredo Cardoso de Barros
António Carneiro
António das Neves Moreira Nunes
Fernando Eduardo Santos


Fernando Santos faz o elogio dos homenageados.



Figuras do passado - Orgulho e honra de Freamunde


Cima para baixo, esquerda para a direita:
-Rua Arnaldo Brito - Comerciante, grande entusiasta das coisas de Freamunde, único homenageado em vida por ser Presidente da Junta quando Freamunde passou à categoria de Vila.
-Rua Pintor Santa Marta - Pintor, dourador, decorador e cenógrafo de reconhecido mérito, mesmo para além de Freamunde, mais conhecido pelo nome de "Santa Marta", dada a sua naturalidade de Portuzelo, Viana do Castelo, que deixou inúmeros trabalhos artísticos em Freamunde e foi o autor do estudo do arranjo urbanístico do centro da Vila que nunca chegou a ser executado.
-Rua do Padre Castro - Industrial, defensor por múltiplas formas dos interesses de Freamunde e autêntico suporte de algumas das suas mais importantes instituições em épocas de crise económica e social.
-Rua de Leopoldo Saraiva - Artista de reconhecido mérito, mormente como animador cultural e decorador, com larga responsabilidade teatral freamundense, e a Freamunde se entregou com desinteresse, dedicação e entusiasmo.
-Rua do Coronel Barreiros - Prestigiosa figura militar, escritor e historiador a quem Freamunde ficou devendo uma cuidada monografia bem como outros estudos históricos e arqueológicos.
-Rua Dr. Alberto Cruz - Médico, notória figura de político e republicano, figura de grande prestígio, aceitação e respeito popular, defensor dos interesses de Freamunde em pleno Parlamento Republicano.
-Rua Zezinho da Casimira - Figura popular de freamundense, terna e respeitosamente reconhecido por Zezinho da Casimira, que dedicou grande parte da sua vida, abnegada e desinteressadamente ao ensino das primeiras letras a quantos o procuravam, o que o transformavam numa autêntica instituição de utilidade pública.
-Rua de Abilio Barros - Industrial, pioneiro da indústria de marcenaria do concelho e membro da Junta de Freguesia na altura da elevação de Freamunde a Vila.
-Rua de Armando Oliveira - Comerciante, grande bairrista e membro da Junta de Freguesia, quando da sua elevação a Vila.
-Rua António Pereira da Costa - Industrial, pioneiro da indústria de marcenaria no concelho, grande bairrista e defensor do progresso da sua terra, junto da Câmara Municipal, mormente do arranjo urbanístico do centro da Vila, para o que tinha um plano executado, a expensas suas.
-Largo António José de Brito - Comerciante e grande bairrista e defensor do progresso de Freamunde, por diversas vezes seu representante na Câmara Municipal e o instigador da ideia e fundador da Associação de Socorros Mútuos Freamundense.
-Rua Brigadeiro Alves de Sousa - Militar distinto, grande impulsionador do progresso de Freamunde junto das autoridades governamentais e a quem se deve a defesa da elevação de Freamunde a Vila, como administrador do concelho nessa data.
-Rua do Padre Francisco Peixoto - Antigo pároco de Freamunde, estudioso investigador de reconhecido mérito, cujo laborioso trabalho de pesquisa histórica chegou a apoiar o autor da monografia da Vila de Freamunde.
-Rua do Prof. Albino de Matos - Pedagogo e industrial, introdutor e pioneiro em Freamunde da indústria de mobiliário escolar e didáctico.

"Pedaços de Freamunde"

domingo, 3 de agosto de 2008

Exposição Documental "Bodas de Ouro do Padre Leonel Oliveira"

Foi hoje inaugurada, na sede social da Associação Cultural e Recreativa "Pedaços de Nós", a exposição documental "Bodas de Ouro do Padre Leonel Oliveira". A cerimónia de abertura que, além do Padre Leonel Oliveira, também contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Pedro Pinto, o Bispo Auxiliar do Porto, D. António Taipa, o Pároco de Freamunde, Luís Brito, e outras individualidades. A sede tornou-se pequena para as dezenas de pessoas que ali se deslocaram para assistirem à cerimónia que, foi abrilhantada com a actuação do Grupo de Castanholas de Freamunde. Na cerimónia também foi lançado o livro "Duma só coisa quis saber - Leonel Oliveira".


Breve nota biográfica do Padre Leonel Oliveira

O Padre Leonel Camelo de Oliveira, nasceu a 9 de Maio de 1934, em Freamunde, no Largo da Feira, residência de seus pais, Leonel Nunes de Oliveira e Ana Joaquina Martins Camelo de Oliveira. Foi baptizado a 21 de Maio de 1934, dia de aniversário do seu pai. Teve uma infância saudável. Fez a escola primária nas Escolas Amarelas, na Rua do Comércio, em Freamunde. Após a 4ª classe ainda teve explicações com o professor Francisco Valente, indo de seguida estudar em regime de internato no Colégio de Nossa Senhora do Carmo, em Penafiel, cujo director era amigo do nosso pai. A adolescência foi normal como a de todos os jovens. Após terminar o 5º ano do liceu, fez o 6º ano no Liceu D. Manuel, no Porto, de onde se mudou para o Liceu Alexandre Herculano, para fazer o 7º ano, por ficar mais próximo da casa dos familiares onde estava hospedado. Entretanto, após uma ida a Fátima com os pais, chegou a casa e disse que queria ser padre. Os nossos pais não concordavam, pois julgavam ser uma fantasia. Ele insistiu e durante as férias grandes alterou a sua vida, procurando que os pais mudassem de opinião. A nossa mãe aconselhou-se com médicos e com o Sr. Cónego Dr. Formigão, que após o terem ouvido, aconselharam que o deixassem seguir a sua vocação. A seguir às férias, foi para o seminário. Entretanto viu-se que a sua vocação era séria, e foi ordenado Padre no dia 3 de Agosto de 1958. Para cumprir um voto, saiu após o almoço com uma irmã e uma senhora a pé para Fátima, onde chegaram passados 7 dias. No dia seguinte, que era domingo, celebrou a primeira missa, sozinho, na Capelinha das Aparições com a sua família que foi de camioneta de Freamunde. A sua vida de sacerdote foi muito agitada, não por sua vontade, mas sim porque era muito incompreendido, por querer tratar os outros como irmãos, como filhos de Deus.

"Ângela Oliveira, irmã do Padre - Pedaços de Freamunde"


Cortejo a caminho da Igreja Matriz de Freamunde para a celebração da Missa Nova, no dia 17 de Agosto de 1958, na terra Natal do Padre Leonel, acompanhado da Banda de Música de Freamunde.

A exposição irá estar aberta ao público de 3 a 17 de Agosto. A não perder!


Actuação do Grupo de Castanholas.