segunda-feira, 29 de junho de 2009

Festas Sebastianas 2009

PROGRAMA

5 de Julho
15:00 - Leilão Gastronómico "Freamunde 2009"
Leilões de todos os lugares de Freamunde - Largo da Feira
21:00 - Concerto Big Band Castanholas Laços e Nós
Associação Cultural e Recreativa Pedaços de Nós - Palco
6 de Julho
20:30 - Novena - Igreja Matriz de Freamunde
21:30 - Concerto Buenos Aires - Palco
8 de Julho
20:30 - Novena - Igreja Matriz de Freamunde
21:30 - Concerto Banda de Freamunde - Palco
9 de Julho
20:30 - Novena - Igreja Matriz de Freamunde
21:30 - Concerto "Pé na Terra"
10 de Julho
19:00 - Homenagem aos Festeiros falecidos - Capela de São Francisco
20:30 - Novena - Igreja Matriz de Freamunde
22:00 - Concerto Deolinda - Palco Principal
00:30 - VII Noite de Bombos - Início junto à Rotunda do Cruzeiro, percurso pelas ruas de Freamunde
02:30 - 3 Vacas de Fogo
11 de Julho
09:00 - Alvorada de morteiros
09:30 - Desfile de bombos e gigantones pelas ruas de Freamunde
14:00 - XII Concentração de Vespas Vespa Clube de Freamunde - Percurso pelas ruas da cidade/concelho
15:00 - Corrida Carrinhos de Rolamentos (Inscrições 14:00) Associação Juvenil ao Futuro
22:30 - Concerto GNR - Palco Principal
24:00 - Fogo Piromusical - Junto à Rotunda do Cruzeiro
02:30 - 4 Vacas de Fogo
12 de Julho
10:00 - Entrada da Banda de Freamunde - Palco Filarmónicas
11:00 - Missa Solene - Igreja Matriz de Freamunde
14:00 - Entrada da Banda de Freamunde e Banda B. V. Esposende - Percurso pelas ruas de Freamunde
21:30 - Concerto Banda de Freamunde e Banda B. V. Esposende - Palco Filarmónicas
00:30 - Concerto Buraka Som Sistema - Palco Principal
02:30 - 3 Vacas de Fogo
13 de Julho
21:00 - Entrada da Fanfarra B. V. Lixa
Entrada dos Grupos de Bombos
23:00 - Fogo Pirotécnico
23:30 - Marcha Alegórica - Percurso pelas ruas de Freamunde
03:00 - Desfile de Teatro de Rua e Pirotécnica - Companhia Atelier - Percurso pelas ruas de Freamunde - Final Rotunda do Cruzeiro
04:30 - 5 Vacas de Fogo
14 de Julho
19:00 - Jantar de passagem de testemunho Comissão 2009/Comissão 2010
01:30 - 1 Vaca de Fogo


In: sebastianas.com/

segunda-feira, 22 de junho de 2009

XVII Feira de Artesanato de Artes e Ofícios de Freamunde

Está a aproximar-se a realização de mais uma “Feira de Artesanato e Artes e Ofícios de Freamunde”, uma iniciativa de duas associações locais, que vai já na sua 17ª edição. Esta organização que tem o apoio da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, da Junta de Freguesia de Freamunde e de empresários locais, “ visa a promoção de uma actividade que poderia cair no esquecimento, se não fossem iniciativas como esta, por esse país adiante”. Visa ainda a mostra dos artefactos locais e regionais que são feitos por mãos primorosas neste pedaço de Portugal e que estão cheias de criatividade, de magia e da habilidade de homens e de mulheres que a eles se entregam, com devoção.
Estarão presentes artigos paradigmáticos de certas regiões nacionais e alguns estrangeiros, entre os quais “não serão de recusar um pedaço da saborosa broa de milho, a garrafa de vinho verde ou o chouriço da região”. Bons motivos para se esperar muita gente, neste certame que, ano a ano, tem vindo a crescer, nomeadamente em termos de visitantes e admiradores do trabalho manual.
Haverá festa e animação cultural, a emprestar ao acontecimento uma variedade de atracções que poderá culminar, na aquisição de bens, porque “o artesão de vender e de viver”. Os tempos estão difíceis “as pessoas voltam-se mais para a compra de bens essenciais, mas há sempre uma réstia no fundo do bolso com que se pode adquirir um trabalhinho”. É essa a esperança da organização, que está a trabalhar para que tudo possa corresponder aos objectivos propostos.
De 2 a 5 de Julho, haverá pois, bons motivos para vir a Freamunde.
De referir que este ano, a feira engasta nas Festas Sebastinas cuja semana cultural começa no dia 5 e terá de permeio (dia 4) o Festival organizado pelo “Rancho Folclórico da Vila de Freamunde”. No dia 5, haverá a actuação do grupo do Grupo “Pedaços de Nós”.
Animação de Rua e a Tuna da Prosénior farão o resto.
Será bom vir a Freamunde …um tempo prolongado de lazer, cultura e festa.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Reviver o passado pela Tamancaria

Há 75 anos, a indústria da tamancaria era uma das actividades económicas que mais marcavam a vida de Freamunde...
Há 25 anos, Arsénio Mota, jornalista do Jornal de Notícias, do Porto, entrevista Armando Martins, um dos últimos resistentes na "arte" de fazer tamancos, pimeira indústria de Freamunde, para uma desenvolvida reportagem que fez sobre Freamunde. Na prateleira vemos tamancos em miniatura.
A Tamancaria Itanhaém foi fundada em 1933, e até hoje confecciona tamancos no mesmo processo artesanal de seus primeiros dias, inovando apenas em seus modelos. A notícia saiu há dois anos no boletim municipal de Itanhaém, e fala de uma fábrica fundada em 1933, no ano de elevação de Freamunde a Vila, por um português de nome António Nascimento Moreira.
"Desde a sua fundação, em 1933, pelo português António Nascimento Moreira, a fábrica nunca mais parou de funcionar. Em sua época de ouro, nos anos 80, a tamancaria possuía 38 funcinários, vendendo até seis mil pares de tamancos por mês. Lotes eram comercializados para várias regiões do país e até mesmo para o exterior, além de turistas estrangeiros que vinham ao Município e não deixava de comprar seu tamanco".

Carlos "Espadinha" na Feira de Artesanato de Vila do Conde, mostra como se faz um produto genuinamente freamundense.

A loja dos tamancos de Itanhaém ganhou dimensões nas mãos de José Gomes Rivero, conhecido por Zequinha, um brasileiro que aprendeu o oficio com o português, e que, em 1938, lhe comprou a fábrica. Fez sucesso com os tamancos, por estes serem mais frescos e confortáveis que sapatos, e por ter incorporado design no negócio, especialmente nos modelos femininos. "Tantos homens quanto mulheres podem usar, mas os femininos sempre venderam mais, principalmente a rasteirinha", revela à Gazeta de Itanhaém Dona Santa, esposa de Zequinha. Os tamancos de Itanhaém são confeccionados em madeira de caxeta, que é clara, leve e resistente, e típica de toda a região paulista.

Há 25 anos, a imprensa do Porto, visitou algumas empresas que contribuiram para o desenvolvimento económico de Freamunde. Na foto, à conversa com os jornalistas, Luís Alberto Teles Meneses e sua mãe Albertina Gomes, administradores da Fábrica de Ligaduras Luteme.

Há 75 anos, a indústria de tamancaria era uma das actividades económicas que mais marcavam a vida de Freamunde. Terá contribuído para a elevação a Vila. Nos 50 anos da efeméride, esta actividade artesanal ainda tinha peso na Vila e a comissão das festas encomendou um tamanquinho miniatura como mascote das bodas de ouro. Mas hoje, é mais fácil encontrar o tamanco português na Tamancaria Cacique de Itanhaém, que chegou a exportar para Miami, do que em Freamunde. E os tamancos prtugueses têm cortiço, conta Dona Santa que certa vez, uma criança que ardia em febre ficou boa quando a mãe lhe comprou o tamanquinho que ela tanto desejava e a própria criança, ainda febril, começou a dançar com seu novo tamanquinho dentro da loja. Milagre atamancado...

"Pedaços de Freamunde"

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Sebastianas 2009

Já é conhecido o cartaz musical para as Festas Sebastianas 2009 que vão decorrer de 10 a 14 de Julho. A semana cultural que se inicia a 4 de Julho com a actuação do "Rancho da Vila de Freamunde", também contará com a actuação da Banda de Freamunde, um espectáculo multifacetado pelo grupo "Pedaços de Nós" e uma exposição de Quim Bica, entre outras actuações a anunciar em breve.
Dia 10: Deolinda
Dia 11: Gnr
Dia 12: Buraka Som Sistema

Informação e fotos: Fredemundus

domingo, 7 de junho de 2009

Memórias freamundenses

Durante séculos (Época Moderna e Época Medieval), a população de Freamunde dedicou-se ao cultivo da terra, em regra pertencente a outrém. Na Idade Média, a maior parte da terra pertencia ao Couto de Ferreira e a alguns nobres, como Dom Gil Vasques de Soverosa que, no cargo de tenente e mercê de grande protecção régia, foi alargando os seus domínios.
Os freamundenses eram sobrecarregados com obrigações múltiplas e outros impostos, a pagar aos senhores do Mosteiro de Ferreira em serviços, melhorias na propriedade ou contribuições em géneros, o que os coagia a uma situação de quase dependência. É curioso constatar que entre as obrigações se encontrava a entrega do capão que "valia por duas galinhas gordas".
A par da actividade agrícola apareceu a apicultura (o mel perde importância no séc. XVI por causa da introdução do açúcar na gastronomia mas a cera continua a ser importante, designadamente na iluminação), a preparação do linho, a produção de vinho que arrasta consigo a tanoaria, a moagem (alguns moinhos remanescentes por aí atestam a sum importância), bem como os ofícios de alfaiate, de oleiro, de padeiro e até de cesteiro.
Centro comercial por via das afamadas feiras, Freamunde era ponto de passagem na rota de a Azurara e conheceu muitos almocreves, clientes certos de oficiais de novos ofícios como os tamanqueiros, os sapateiros e os latoeiros. No início do séc. XX, Freamunde era o maior centro de tamancaria do país, sendo também famosa pela indústria do mobiliário e de material escolar, com produtos comercializados, segundo sugestão de pedagogos como Maria Montessori, Froebel, etc.
A evolução industrial não se esgotou no mobiliário, ramificando-se na metalomecânica, no trabalho do granito e na preparação de artigos têxteis para a medicina e uso hospitalar (camas articuladas, mesas de operações e outro material metâlico).
"Pedaços de Freamunde"