sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Capão à Freamunde

A IV Semana Gastronómica do Capão à Freamunde, que vai decorrer entre os próximos dias 2 e 13 de Dezembro, apresenta na edição deste ano três novidades: a parceria e a colaboração do Chefe Hélio Loureiro, do Porto Palácio Hotel, o aumento do número de restaurantes aderentes e o alargamento da iniciativa a quase duas semanas.
Entre os dias 2 e 13, oito restaurantes do concelho vão disponibilizar no seu menu diário, ao almoço e ao jantar, o prato de Capão à Freamunde, desafio lançado pela autarquia aos restaurantes nos últimos 4 anos.
É mais um momento alto para a promoção deste prato que encanta apreciadores e cujo produto se encontra em processo de IGP, Indicação Geográfica Protegida.
A Semana Gastronómica do Capão à Freamunde abre no dia 2 nos 8 Restaurantes aderentes: A Nossa Pensão, Citânia e Marceneiro, em Paços de Ferreira; Parrilhada, A Presa, A Presa II e O Gusto, em Freamunde e Casa de Campo, em Figueiró.
Um dos pontos altos desta edição da Semana Gastronómica acontecerá no dia 12 de Dezembro, com o 18º Concurso Gastronómico "Capão à Freamunde", que consiste num Jantar de Gala na Quinta da Vista Alegre, Freamunde, durante o qual é atribuído o prémio ao restaurante que melhor confecciona o Capão.
O dia 13 é, por excelência, o dia da compra e venda do capão vivo. No dia de Santa Luzia milhares de pessoas deslocam-se a Freamunde para a Feira dos Capões que decorre no centro da cidade. O cariz religioso é também cumprido com missas em honra de Santa Luzia, pelas 9 e 11 horas, seguindo-se, pelas 12 horas, o Concurso do melhor capão vivo presente na feira, junto ao Coreto, estando previsto para as 15 horas várias demonstrações equestres.
O Capão
A origem do acto da capadura remonta aos tempos romanos. Diz-se que por causa das insónias, devido aos cantares dos galos, um Imperador criou uma lei que impedia a sua existência. Os apreciadores e criadores destas aves conseguem-na ultrapassar castrando o animal que deixa de cantar, de ter porte de "rei da capoeira" para se transformar no "Manjar dos Reis", assim já o refere Gil Vicente nas suas obras. Surge então uma nova espécie, o Capão, que ultrapassa em beleza, tamanho e sabor, o galo macho.
Além de diversos documentos atestarem a existência da Feira dos Capões na Vila de Freamunde, Paços de Ferreira, desde o séc. XV, a sua institucionalização oficial só se fez por provisão do Rei D. João V, em 3 de Outubro de 1719.
De facto, um frango capado, embora se torne incapaz de se defender, de ter carcarejos e de ser assustadiço, criado em grandes extensões e alimentado à base de grão, engorda, torna-se avantajado e vistoso e a sua carne tenra e apetitosa, quando assado adquire um requintado e inigualável sabor.
A arte de capar os jovens galos, transformando-os em capões, exige uma técnica muito apurada, que apenas algumas pessoas dominam. Esta técnica não admite erros, que podem ser fatais para o galo ou transformá-lo numa espécie intermédia, habitualmente denominada de rinchão, e que não é galo nem capão.
A arte da capadura é transmitida de geração em geração e neste momento existe a Associação de Criadores de Capão de Freamunde que preserva esta tradição.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Tradições, crenças e práticas místicas

A vida nem sempre foi fácil para os povos que se foram sucedendo neste rincão. Não admira pois que, ao longo dos tempos, fossem inventando, mezinhas e conceitos, crenças e práticas para vencer a luta que empreendiam contra a natureza e os males que lhes sobrevinham. Constituem, no seu todo, um grande manancial de sabedoria popular, de filosofia de vida espontânea e de tradição etnográfica que urge valorizar. A história de qualquer povo padecerá de incompletude se dela banirmos as formas primeiras ou continuadas de luta por melhor vida e pela sobrevivência. Constituem também padrões de cultura doutras épocas e que evoluem, dando a cada comunidade a sua espefecidade. Essas formas foram transmitidas de geração em geração, um legado oral, que merece, pelo menos, uma breve abordagem, para que não se pulverizem ante o primado da máquina e da técnica. São manifestações de cultura popular que sulcaram o rosto e o sangue deste povo que, trilhando caminhos desconhecidos, foi limando as arestas através das suas crenças e hábitos que não podem, sem injustiça, cair no olvido. Crenças e hábitos ornamentaram pois toda a sua vida colevtiva e significam a luta pela vida. Para chegarem ao HOJE.
E para que não se percam:
ALGUMAS CRENÇAS E SUPERSTIÇÕES
. Lavar as mãos no mesmo recipiente é mau - leva a conflito
. Abrem a boca ao mesmo tempo - vão ser compadres
. Quem veste a roupa, por engano, do avesso - é sinal de prenda
. Se entorna azeite - vai ter azar
. Sujou os pés na "caca" - sinal de dinheiro
. Gosto dele (a) e perdoa-lhe tudo - deu-lhe água de cu lavado
. Penas de galinha em casa - sinal de morte
. Passa debaixo da mesa - não vais crescer
. Quem não quer receber certas visitas ou quer que elas se retirem depressa - vassoura ao contrário, atrás da porta
. Sofre de mau olhado - um alho no bolso
. Achou um trevo de quatro folhas - vai ter sorte
. Chove no dia do casamento - a noiva gosta de papas
. Se anda por aí uma aranha - vai ter carta
. Mulher grávida não pode cheirar uma flor - o filho pode nascer com um sinal grande (uma flor)
. Assustou-se durante a gravidez - o (a) menino (a) vai ser gago (a)
. A mãe tem azia na gravidez - está a crescer o cabelo do bébé
. Se está a comer algo, deve dar à criança que estiver ao pé, para não ficar "ougada" e com os cabelos em pé
. Se tem verrugas - leve uma dúzia de cravos ao São Simão
. Se perdeu algo? - faça o responso a Santo António. Se não se enganar na oração, a coisa vai aparecer
. Não ponha dinheiro nem crianças em cima da mesa, sobretudo se há pão - não é bom, pode dar a gota
. Carteira no chão - o dinheiro não cresce
. Entornou vinho - alegria
. O fumo vai na direcção dos bonitos
. Dizem o mesmo ao mesmo tempo - o primeiro a pôr a mão em algo preto vai ter sorte
. Giestas nas portas e janelas na noite de 30 de Abril para 1 de Maio - afasta o diabo
. No dia 1 de Março, fio de lã vermelha no dedo médio - para não se crestarem
. Na esquina da mesa? - não casará nesse ano
. Os ossos do frango da canja das parturientes têm de ser afastados dos gatos - pode secar o leite da mãe
. Se está grávida, não ponha a chave da casa à cinta - o bébé pode vir com o lábio rachado
. A coruja canta de manhã - sinal de morte
. Alguém tem soluços - meta-lhe um susto
. Sapatos voltados ao contrário - vai haver zanga
. Tesoura aberta em cima da mesa - dá azar
. Ferradura na porta - não entra o mal
ALGUNS DITOS, GESTOS, E PRÁTICAS BASEADOS EM SUPERSTIÇÕES, CRENÇAS E AGOIROS
. Se se cose um botão ou qualquer coisa, numa peça de roupa, numa pessoa com ela vestida, diz-se:
"Não coso nem morto nem vivo
Coso isto que está descosido
Não coso vivo nem morto
Coso isto que está roto"
. Se uma criança passou debaixo duma mesa, deve voltar para trás, pelo mesmo sítio para poder crescer
. A primeira vez que se visita uma igreja ou capela, deve pedir-se três graças- elas serão recebidas
. Quem vier, pela primeira vez a Freamunde e beber água do Agrelo, é "certo e sabido" - nunca mais quererá sair de cá
. O primeiro dente que cai a uma criança (quando inicia a muda), deve deitá-lo para trás do forno
. Enquanto o recém-nascido ou bébé não tem nome registado, deverá ser tratado (a) por Custódio (a)
. Se nas desfolhadas aparecia uma espiga vermelha, o descobridor tinha de dar um abraço a todos os presentes
. Quando se inicia uma tarefa ou se entra numa casa para trabalho, deve entrar-se com o pé direito
. Se gostar das plantas da vizinha, é melhor "roubar" um pé que pedir - "pega mais depressa e melhor"
. Os de Paços de Ferreira acreditavam que o facto do Paços não ganhar ao Freamunde, era sinal de "enguiço", por isso chegaram a atirar para o campo, o velho campo do Carvalhal, uma galinha preta
. Crianças com medo? - passa-se debaixo duma vaca e depois anda-se em volta dum esteio sete vezes, batendo com a ponta da foucinha no chão
. Encontrou uma pestana na cara da amiga? - Meta-a entre dois dedos, pense num gosto que gostaria de ter e convide a amiga a fazê-lo também. Depois pergunta: debaixo ou de cima?
Abra os dedos, se a pestana estiver no dedo apontado pela amiga, o gosto dela é que irá concretizar-se. Senão acertar, o gosto é seu
. Encontrou um malmequer? Pergunte ao companheiro: "bem me quer ou mal me quer?"
Comece pela resposta e vá tirando cada pétala dizendo alternadamente "bem-me-quer, mal-me-quer", a última pétala dirá a verdade. Se calhar bem-me-quer, o amigo quer-lhe bem
. Quando se ouvia o "canudo" (sirene) da Fábrica Grande, as pessoas diziam que ia chover. Não sabiam justificar cientificamente, mas era verdade. Era o censo comum
. Os moços que iam às sortes (dizia-se por cá também que eram as inspecções militares), passavam a véspera e a noite a tocar bombos, animando as ruas mas sujeitando-se, muita vezes, à perseguição da GNR
. No sábado anterior ao Santo António e, às vezes, antes do São João ou do São Pedro, grupos de foliões recolhiam tudo que encontravam desacautelado nas entradas das casas e colocavam em frente à Capela de Santo António. Os donos ao outro dia, tinham de ir recuperar as suas coisinhas em que abundavam os vasos das flores. Muitos ima buscá-las de manhã cedo, mesmo antes da "Missa da Manhã" que se realiza ainda hoje, todos os domingos, na referida Capela.
ALGUNS VOCÁBULOS DE USO TRADICIONAL LOCAL
Noveirar - significa espreitar, ser curiosa e virá de nova (novidade); quem gosta de "noveirar" é "noveiro"
Potrica - significa cambalhota, não se sabe se virá de potro (=quebradura)
Adei - significa e daí que teria sofrido uma ligação e uma metátese (mudança de sons numa palavra)
Rebarbento - significa preguiçoso, mole. Rebarbativo é um gordo. Virá daí? Ou do nome da máquina que tira as rebarbas ou arestas em fundição e marcenaria?
Pingadeira - significa para nós assadeira, mas por derivação de pingo de "utensílio que apara os pingos da carne"
Penicada - significa corte de cabelo curto - porque a cabeça fica como um penico?
Basqueiro - significa barulho
Mãezinha - chamava-se à avó
Maias - significa giestas e deriva do facto se porem estas plantas, no dia 1 de Maio, nas portas, "para não entrar o diabo
"Freamunde- Apontamentos para uma monografia"

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Hino de Freamunde

Hino de Freamunde
Letra de Leopoldo Saraiva
Música de António José de Brito
Arranjo musical de Claudino Leal para ser tocado e cantado pela Escola Infantil de Música de Freamunde nas Comemorações do Cinquentenário de elevação de Freamunde à categoria de Vila em 1983.
VIVA, VIVA, VIVA FREAMUNDE
Nobre terra sem brasão
Tua glória é o trabalho
Essa grande tradição - VIVA FREAMUNDE
Povo forte e decidido
Que labuta sem parar
E jamais será vencido - VIVA FREAMUNDE
Terra muito industrial
Do concelho és a primeira
E não tens outra rival - VIVA FREAMUNDE
Não exagero, não falho
Se disser que o teu progresso
Só depende do trabalho

CORO

FREAMUNDE terra de encantos
De beleza sem igual
Tens tantos encantos tantos
Que orgulham PORTUGAL BIS
Teu povo trabalhador
Dá exemplo e tem moral
É de todos o mais forte
Deste nosso PORTUGAL

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Sebastianas 2010

A Comissão de Festas Sebastianas 2010, vai organizar no próximo sábado, dia 14 de Novembro, no pavilhão das Sebastianas, a partir das 16:00, o "Grande Magusto". Este evento contará com a actuação de um Quarteto de Jazz e também com o Grupo de Castanholas - Pedaços de Nós. Também será lançado o livro "1001 Quadras ao Vinho" da Associação Pedaços de Nós.
Estão reunidos os ingredientes para um excelente serão... A FREAMUNDE
Minha terra tão velhinha
Palmeira...com coração!
Música, Teatro, Pintura
Fado...com alma!
Estandarte Azul...
Baú de riquezas in?initas...
Pedaços de Tudo!
Pedaços de Nada...
Aqui e agora
Sopros...de vinho
Sopros...de sonho
Sopros...com graça
Pedaços...mais pedaçinhos.
Minha Terra tão velhinha...
Minha Terra...tão amada!
Maria Luísa Tojal

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Teatro Infantil de Freamunde estreia-se em palco

O Grupo de Teatro Infantil e Juvenil de Freamunde, constituído por 17 elementos e sob a direcção de Ana Mello, vai estrear-se em palco no próximo domingo com a peça "À Beira do Lago dos Encantos". O espectáculo vai realizar-se no palco da Biblioteca Municipal de Paços de Ferreira, pelas 16:00, integrada no Ciclo da Imagem 2009, uma parceria do Munícipio com a Associação Cultural "Pedaços de Nós".
" Vindo da Terra, um rapaz chega ao Planeta". Assim começa "À Beira do Lago dos Encantos", a peça escolhida pelo Grupo de Teatro Infantil e Juvenil de Freamunde para a sua primeira apariçao.
A peça é da autoria de Maria Alberta Meneres e conta a história de habitantes de um planeta desconhecido que "procuram o significado para as palavras e vão descobrindo o mundo, através dos sentidos e, sobretudo, da experiência da amizade"
Esta estreia, está inserida nas actividades do CICLO DA IMAGEM sendo uma peça vocacionada para o público juvenil. A peça terá lugar na Biblioteca Municipal no próximo dia 15, pelas 16:00 com entrada livre.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Ainda as Autárquicas


Depois de uma Assembleia de Freguesia bastante concorrida e acalorada, e sem consenso quanto à votação para os vogais da Assembleia, o que é certo é que não se augura nada de bom para a estabilidade política em Freamunde nos próximos tempos. É difícil não imaginar um cenário em que teremos eleições novamente. Actualmente, parece-me praticamente impossível um entendimento entre os partidos. Instabilidade política é tudo o que não precisamos neste momento. Resultado mais provável? Eleições intercalares? Acabamos por cair num impasse. Ninguém vai ganhar com isso. O que é preciso e urgente, é um entendimento entre as forças políticas para que exista mais estabilidade política para os próximos anos. Infelizmente, não existe vontade política para que tal aconteça. E quem fica a perder somos todos nós, quem fica a perder é Freamunde. É certo que o escrutínio ditou o fim de uma maioria absoluta. Agora há que unir forças para um entendimento para levar Freamunde a bom porto. Isso sim, é o que se precisa! Haja vontade!