quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal

O Natal desejado por um jovem adulto de doze anos...
Neste Natal espero que os sinos cantem para toda a gente, que haja paz, alegria e felicidade...
No Natal normalmente as famílias unem-se para comer um bacalhau ou um perú, depende dos gostos das pessoas. Espero que não haja fome em África e nos outros países pobres (como agora estamos, neste momento). Celebra-se no dia 25 de Dezembro, o nascimento de Jesus mas no dia 24 é que se costuma receber as prendas. Os Natais que eu celebrei até agora foram muito divertidos, onde tive a minha família toda reunida. No Natal gostava que houvesse felicidade para todos os sem-abrigo e nunca desistir dos seus sonhos, isto para os politicos isto é fácil de dizer mas quando é para agir dizem "ah, nao temos dinheiro" ou então "ainda é muito cedo" blá blá blá...Devem ser racistas, sim, porque com esta Républica de bananas não temos futuro nenhum...Podiam ao menos ajudar todos os pobres em todo o mundo, mas não, preferem antes ajudar os ricos, ou seja, pessoas que nao fizeram nada e que nem se esforçaram para ter essa riqueza...
Feliz Natal!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Coisas Minhas

CARTA AO PAI NATAL!
Meu querido Pai Natal:
Ao fazer desta, estimo que te encontres de boa saúde, assim como as simpáticas renas que todos os anos te ajudam nessa gloriosa peregrinação pelas chaminés das casas dos meninos que se portarem bem durante o ano e merecem a tua visita e a indispensável prenda no sapatinho, que eu, graças a Deus, fico bem, muito obrigado.
Talvez te admires por te escrever esta cartinha, mas faço-o inspirado no gesto dos meus netos, que fui surpreender, muito compenetrados, num trabalho semelhante a este. Eu bem sei que eles estão no seu direito e na sua razão de o fazerem, porque são crianças e crianças que ainda acreditem (ou fingem acreditar...?!) na tua existência, com a convicção que a conveniência de conseguirem o brinquedo dos seus sonhos os obriga a terem. E eu, farto de deplorar as inconvenientes inconveniencias dos "crescidos" e desiludido com as suas convicções mais suspeitas, cheguei à conclusão de que devemos acreditar mais nas crianças, até porque tudo aquilo em eles acreditam tem muita mais pureza, muito mais ternura, muita mais beleza e muita mais verdade, mesmo que seja mentira ou nem sequer exista...Além disso, estou já naquela idade em que se volta a ser criança e sinto-me, também, com o direito de ter o meu Pai Natal...Tenho um amigo que, quando quer e provar que alguém já está velho, não deixa de apontar este argumento e indiscutível sintoma: "-Já chora!!..." Não sei se ele também chora. Pelas minhas contas até devia chorar mais do que eu, que só lhe desejo que ainda chore por muitos e muitos anos...E eu, que também já começo a chorar com facilidade e sem a menor vergonha de o declarar publicamente, vou-me convencendo de que estou a ficar velho e, ao mesmo tempo, a voltar aos seus perdidos tempos de menino, que eu não sei o que daria para reaver, mas com a condição de não saber o que sei hoje, o que eu muito deploro e me cobre a cara de vergonha...
É, pois, convencido da minha condição de criança, por já velho, que tomo este epistolar atrevimento, mesmo sem saber a tua morada, nem o código postal do lugar onde habitas nos sonhos das crianças, coisa que não fui capaz de descobrir nas listas dos C.T.T. ,nem indo pelos meus dedos nas "páginas amarelas"...Não te esqueças, pois, de mo mandares dizer na volta do correio, pois não calculas o desapontamento dos meus netos, que mo tinham solicitado, convencidos (oh, a força da publicidade!...) de que seria meio caminho andado para a realização dos seus anseios.
Mas, meu querido Pai Natal, ao contrário das cartas que, aos milhares, deves receber nesta festiva quadra, não pretendo, com esta, que me dês nada, até porque não o mereço. Durante este ano portei-me muito mal e, nos anteriores, também não me tenho comportado melhor: fiz muitas travessuras, disse muitas palavras feias, arreliei outros meninos e inventei mais mentiras do que devia...Os outros também não se portaram melhor do que eu e até estou muito zangado contigo porque sei que lhes tens posto no sapatinho prendas que eles não merecem: presidências de conselhos de administração, altos cargos políticos, lugares-chave para fácil acesso ao lucro ilícito, condecorações, homenagens, comendas e honrarias, o que não está certo...Não quero, porém, que me julges invejoso: eu já me contentaria com uma reforma da Assembleia da República...e bem ma podias arranjar, pois comi sempre a sopa toda, como os meninos bonitos, enquanto os outros...nem queiras saber o que eles comem...A verdade, também, é que eu sempre gostei de sopa, apesar de saber que engorda, o que pouco me rala, pois gordura é formosura e, até, bondade, como dizia um senhor chamado Fernandez Flores que preconizava: "Quereis a Humanidade boa? Engordai-a!..." Se calhar é por toda a gente saber o quanto gosto de sopa que mo-la dão amiúde...Em tudo o que me meto, sopa! É sopa nos negócios, é sopa no jogo, é sopa nas oportunidades...Basta de tanta sopa!...
Mas, se nisto de comer a sopa toda fui bonito, no resto, confesso, tenho sido muito feio...Eu bem sei que tenho a desculpa de já não ter quem me ralhe ou me meta na ordem com um puxão de orelhas de vez em quando. E nem calculas a saudade que sinto sempre que me recordo desse gesto de amor de minha santa mãe: um puxão de orelhas...logo seguido de um beijo...Vês: lá estou eu quase a chorar...Estou velho, não há que ver...
Mas deixa lá! Não! Não é para te pedir nada para mim que me decidi a escrever-te. Eu já não aprecio brinquedos e os que eu gostaria de ter tu não nos podes dar, pois não és Deus nem presides ao destino dos Homens: saúde e um longo e sossegado resto de vida, cheio de amor e felicidade na companhia de quantos me são queridos...O que eu te quero pedir é que não tragas mais presentes como os que os jornais todos os dias relatam: calamidades, guerras, tragédias, violência, ódio, racismo, assaltos, roubos, droga, doenças...Pelo menos neste mês, em que, há muitos anos, uma criança quis trazer ao mundo Paz, Amor e Redenção, deixa a Humanidade gosar o seu Natal em sossego...Deixa em cada chaminé e em cada sapatinho um pouco de solidariedade, de compreensão e de perdão..., embora eu tema que o teu enorme saco seja pequeno demais para a quantidade de Amor que seria preciso distribuir...
Afinal, comecei a dizer que nada te pedia para mim e acabo a suplicar-te prendas para os outros que seriam o melhor presente que me poderias dar...Mas tu desculpas-me, não é assim, meu querido velhote? São "coisas minhas" que, tenho a certeza, não me vais levar a mal...
E com esta me fico. Desculpa a caligrafia, o papel de jornal em que te escrevo e qualquer "gralha" que passe na "revisão". Muito obrigado por tudo o que possas fazer de quanto te pedi e recebe os melhores desejos de Bom Natal e Feliz Ano Novo e um apertado "xi coração" do teu Fernando Santos.
P.S. Dá cumprimentos meus a toda a família ao Padre Eterno e um "repenicado" beijinho ao Menino Jesus, se o vires por aí. Tem cuidado ao guiares o trenó, que, se por aí for como cá, as estradas estão muito perigosas e o que mais há são acidentes de viação...e lá se ia a distribuição de Amor que te pedi...Ah! Agasalha-te bem, que anda por aqui muita gripe...

Fernando Santos - Coisas Minhas - 1992

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

100.000 visitas - Obrigado!

Hoje, o blog atingiu as 100.000 visitas. Um número inatingível sem vocês. Sem vocês que estão aí desse lado e que o brindam regularmente com a vossa visita.
Um bem haja a todos aí desse lado.
A todos vocês, o meu muito obrigado!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Feira dos Capões 2010

Conceição chorou, Luzia riu...
A Feira dos Capões é o expoente máximo de originalidade, de saber - fazer e do ser, que acolhe milhares de forasteiros em buliçoso convívio com as gentes da terra numa sociabilidade total, tendo como "prato" forte o Capão.
A Feira dos Capões é acompanhada com a peregrinação à Capela de Santo António para a veneração da Santa Luzia protectora de quem precisa ver.
A instituicionalização oficial fez-se por provisão do Rei D. João V em 3 de Outubro de 1719, embora esta já realizasse muito tempo antes.
Nas Inquirições de 1258, nos contratos de arrendamento rural constavam de "patos, galinhas, capões, ovos, cabritos, manteiga e queijo".
A Feira dos Capões / Festa de Santa Luzia é o "ex-libris" de Freamunde.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Homens da Luta na tenda das Sebastianas

Durante o dia 10 a 13 de Dezembro, as Sebastianas 2011, irã0 ter como é habitual uma tenda junto à Associação de Socorros Mútuos, em Freamunde. Onde haverá todas as noites música ao vivo, nomeadamente os Homens da Luta, na noite do dia 12 de Dezembro, que irão fazer uma arruada, haverá também muito vinho de extrema qualidade, cerveja e rojões.Vamos comparecer para ajudar na realização das próximas festas Sebastianas.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Feira dos Capões / Feira de Santa Luzia

PROGRAMA
09:00 - Missa na Capela de Santo António
11:00 - Missa na Capela de Santo António
12:00 - Concurso Melhor Capão Vivo da Feira
15:00 - Demonstrações Equestres (Junto à Piscina Municipal)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

V Semana Gastronómica Capão à Freamunde

A V Semana Gastronómica do Capão à Freamunde, que vai decorrer entre os próximos dias 1 e 13 de Dezembro, para além de ter conquistado mais dois restaurantes aderentes, apresenta este ano algumas novidades gastronómicas confeccionadas com Capão, associando ao menu produtos típicos da região, como a broa do Vale do Sousa e o vinho verde da região e doçaria tradicional do Concelho.
Neste período oito restaurantes do concelho vão disponibilizar no seu menu diário, ao almoço e ao jantar, o prato de Capão à Freamunde, desafio lançado pela autarquia e Junta de Freguesia de Freamunde aos restaurantes nos últimos 5 anos, juntamente com a Associação Juvenil Ao Futuro (AJAF) e a Associação de Criadores de Capão de Freamunde.
É mais um momento alto para a promoção deste prato que encanta apreciadores, inspirou escritores e cujo produto se encontra na fase final do processo de Indicação Geográfica Protegida (IGP).
A Semana Gastronómica do Capão à Freamunde abre no dia 1 de Dezembro em 8 Restaurantes do concelho: A Nossa Pensão (Paços de Ferreira); A Presa (Freamunde); Casa do Campo (Figueiró); Citânia (Paços de Ferreira); O Gusto e Parrilhada (ambos em Freamunde); Tarasco (Figueiró) e Tasquinha D’Aldeia Melo (Lamoso).
Um dos pontos altos desta edição da Semana Gastronómica acontecerá no dia 12 de Dezembro, com o 19º Concurso Gastronómico “Capão à Freamunde”, que consiste num Jantar de Gala na Quinta da Vista Alegre, Freamunde, durante o qual é atribuído o prémio ao restaurante que melhor confecciona o Capão.
Neste evento, os restaurantes aderentes levam o seu capão a concurso, onde o prato é apreciado e avaliado por um júri, sendo posteriormente comunicado o vencedor no Jantar e entregues os respectivos prémios. O Jantar de Gala conta com a participação de individualidades das diversas áreas, que têm oportunidade de degustar tão prezada iguaria. O valor de cada entrada será de 30 euros e os ingressos encontram-se à venda, entre os dias 1 e 9 de Dezembro, no Centro de Informação Turística de Paços de Ferreira, que funciona no Museu Municipal e na Junta de Freguesia de Freamunde.
É mais um momento alto para a promoção deste prato que encanta apreciadores e cujo produto se encontra em processo de IGP, Indicação Geográfica Protegida.
Excelente assado, com recheio e levado à mesa com a pele estaladiça, colecciona apreciadores de prestígio: Camilo Castelo Branco, Gil Vicente, Eça de Queirós e D. Francisco Manuel de Melo.
O dia 13 é, por excelência, o dia da compra e venda do capão vivo. No dia de Santa Luzia milhares de pessoas deslocam-se a Freamunde para a Feira dos Capões que decorre no centro da cidade.
A vertente religiosa é também motivo de deslocação a Freamunde, na maior parte dos casos por devoção ou para cumprir promessas a Santa Luzia, advogada da visão. Neste dia 13, o programa contempla a celebração de duas missas, na Capela de Santo António, pelas 09 e pelas 11 horas. Pelas 12 horas, decorre o Concurso do melhor capão vivo presente na feira, encerrando o programa da Feira dos Capões com demonstrações equestres, pelas 15 horas, junto às Piscinas Municipais.
De salientar a importância dos parceiros envolvidos: a AJAF, que tem por função a organização do Concurso Gastronómico do Capão à Freamunde e a Associação de Criadores de Capão, a promoção e divulgação da autenticidade do Capão.
Em Dezembro de 2001 foi também criada a Confraria do Capão.

Historial do Capão
A origem do capão remonta aos tempos romanos, diz-se que na Roma antiga, o cônsul Caio Cânio, restringido nas suas horas de sono, pelo alvorecer sonoro dos galos, teria conseguido fazer aprovar uma lei no senado que proibia a existência dos galináceos, no perímetro urbano da cidade.
Privados do prazer da sua carne, os súbditos logo inventariam uma forma engenhosa de contornar a disposição legal – capando os galos. Surgia assim o capão, o sápido eunuco que, na sua nobreza e requinte, se tornou comparável ao faisão, à perdiz e à galinhola.
Diz-se que desvirilizados, eles pararam de cantar, para consolar a perda da função, começaram a alimentar-se compulsivamente e a engordar bastante. Ao serem abatidos, mostraram-se iguarias sublimes. Os romanos descobriram que quanto mais cedo fosse realizada a castração, melhor seria o sabor da carne.
E, pelos caminhos de Roma, chegaria até nós este costume e este processo que enriquecia a gastronomia e a alimentação da região, acrescentando-lhe nova e delicada iguaria.
A par de uma riqueza nutritiva e um sabor delicado, as suas origens fazem parte do património lendário da região.
Feira dos Capões/ Feira de Santa Luzia
Instituída por provisão régia d' El-Rei D. João V, a 3 de Outubro de 1719, "rezestada na chancellaria Mor da Corte e Reino no livro de offícios a mercês a folhas quarenta e oito; em Lisboa occidental dois de Novembro de mil setecentos e dezanove(...)”.
Alguns historiadores referem que "a Feira dos Capões já se realizava no séc. XV. Ainda nos dias de hoje em Freamunde, a “Feira dos Capões” realiza-se a 13 de Dezembro, e coincide com a data em que a liturgia católica venera Santa Luzia, a protectora da visão. Os alegados motivos de atracção de milhares de Forasteiros à Cidade de Freamunde, é o da compra dos capões aliando também a fé religiosa, venera-se na capelinha de Santo António, situada no mesmo terreiro da feira.
Para os boémios, manda a tradição que seja os primeiros fregueses da afamada “Barraquinha das Festas Sebastianas”, onde servem rojões, fêveras …. regadas com o novo verde tinto da região que é de praxe.
A Feira conta com a eleição do melhor “Capão Vivo” no sentido de dar a conhecer a especificidade deste produto que, se não for bem castrado, não ganha determinadas características, sendo nesse caso chamado “Rinchão”.
IN CMPF