quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Os Juniores contam contigo

Sábado, às 15:00 h, os Juniores do Sport Clube de Freamunde defrontam a Académica de Coimbra, para a segunda jornada da fase de manutenção / descida da competitiva 1ª Divisão Nacional. Na primeira jornada realizada no passado sábado, o Sport Clube de Freamunde conquistou um precioso ponto no terreno do Leixões.
Nesta série de quatro equipas encontra-se o S C Freamunde, Académica de Coimbra, Feirense e Leixões. O primeiro e segundo classificados asseguram a manutenção.
Para que o S C Freamunde assegure a manutenção é fundamental o teu apoio!

Os Juniores contam contigo!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Notícias de Freamunde

Capão à Freamunde concorre às 7 Maravilhas da Gastronomia

VAI CONCORRER NA CATEGORIA DE CARNE
O Capão de Freamunde é um dos pratos que vai concorrer às 7 Maravilhas da Gastronomia, uma iniciativa que irá escolher os pratos mais genuínos da cozinha portuguesa.
Ricardo Graça, presidente da Associação de Criadores de Capão de Freamunde, confirmou a inscrição no concurso, feita em parceria com a Câmara Municipal de Paços de Ferreira, e não têm dúvidas que o prato típico "será eleito como uma das 7 Maravilhas". "Estamos a proceder à certificação da receita e, por isso, fazia todo o sentido participarmos", acrescentou Ricardo Graça. "Se este prato não for escolhido, não sei qual será", ripostou.
As inscrições estão abertas até 27 de Março e depois serão escolhidas 70 receitas, para um painel de 21 personalidades seleccionar os 21 pratos finalistas, divididos em sete categorias: entradas, sopas, peixe, carne, caça, marisco e doces.
A votação será feita pelo público português, via SMS, chamadas telefónicas ou internet, entre Maio e Setembro, e os vencedores serão conhecidos numa cerimónia televisiva apresentada por José Carlos Malato e Catarina Furtado, no início de Setembro.
Este projecto tem como símbolo a couve portuguesa em jeito de prato e a apresentação realizou-se na semana passada, em Santarém.
In Imediato

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Espanhóis & Marroquinos

É do conhecimento geral que os pacenses alcunham os freamundenses de espanhóis e os freamundenses apelidam de marroquinos os pacenses, porquê?, a resposta é muito simples. Aos 7 dias do mês de Julho de 1629, foi instituída em Freamunde a Confraria de Santo António à qual o Papa Urbano VIII em suas letras apostólicas concedera indulgências a privilégios para os fiéis de qualquer sexo e profissão, e especialmente aos confrades inscritos. Conseguiu esta Irmandade um beneplácito régio para a criação de uma feira cativa no dia 13 de cada mês. A feira iria então ter lugar no terreno junto à Capela de Santo António - bravio que em 1720 pertencia a Manuel Nunes e esposa Joana de Sousa, e transmitido anos depois a herdeiros António Nunes de Sousa e mulher Joana Maria de Lemos. O maior rendimento das feiras destinara-se às garantias espirituais e materiais que a Irmandade passava a conferir. O próprio rei não se esqueceu de que para os cofres do Estado reverteriam proventos normativos.
Não fora mansa, por vezes, a posse dos terrenos na devesa de Santo António, para a feira festa dos 13 de Junho de 1719, data da provisão conferidas pelo rei D. João V. Os proprietários com medo que os seus terrenos passassem a públicos opunham-se com determinação para que ali não se realizassem as respectivas feiras; partiram-se muitas bilhas, racharam-se muitas cabeças, puseram-se muitas bestas de joelhos, mas a força da razão permitiu que a feira continuasse. Como luxo e comodidade uma barraca de alveitar para tratamento de animais vindos de longe. Da nossa vizinha Espanha, em especial da Galiza dias antes da feira dos 13 de Junho já muita gente tinha chegado a Freamunde para efectuar as suas transacções comerciais, mormente de gado cavalar em que a feira era muito forte. Por se deslocar a Freamunde muita gente de Espanha, a feira começou a ser apelidado pelos pacenses da feira dos espanhóis, e em pouco o termo entrou em depreciação e os freamundenses são agora os «espanhóis». Ora como Espanha está para Marrocos como Freamunde está para Paços, pois bem, então os pacenses serão os «marroquinos», diziam os mais ofendidos. Curioso é notar que volvidos quase trezentos anos após a fundação da feira ainda hoje é apelidada de «espanhol» qualquer pessoa de Freamunde que vá viver para alguma freguesia do concelho tal é o peso da tradição. Pois que ela não se apague da memória colectiva, é o que muito sinceramente espera este «espanhol» de Freamunde.

João Correia - Gazeta de Paços de Ferreira

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Histórias da minha saudade

Não sei como se chamava a árvore ali ao lado da chamada "bica da praça", debaixo da qual se sentava a Se Maria Bombeira a vender a sua fruta, às vezes dando uma peça a miúdos que a miravam, sem dinheiro para a comprar.
A árvore irradiou os seus braços em torno dos quais se enrolam roseiras rosa-claro num equilíbrio que nos parecia os jardins bem cuidados de hoje, em namoro sério e apaixonado.
A árvore (como hei-de escrever o seu nome?!) dava uns frutos castanhos muito semelhantes às castanhas que nos deliciam no Outono.
Um dia, tinha para aí uns 9 anos, trouxe uma faca e ia descascar uma dessas espécies convencida que era mesmo uma castanha. À minha volta, outros miúdos à espera que eu lhes emprestasse a faca porque iam fazer o mesmo - afinal caía no solo de graça.
Ao aperceber-se do que fazíamos ou tentávamos fazer na nossa ingenuidade, aproxima-se de nós, esbracejando e gritando o Sr. Abílio (o barbeiro ali da esquina) que nos informou que aqueles frutos eram venenosos. Ficámos apavorados e lancámos fora tudo o que tínhamos apanhado.
Ainda hoje não sei o tal fruto de cor e forma de castanha (chamavam-lhe castanha do diabo, não era?) se era venenoso ou não. O certo é que relembro a cada passo, a simpatia do Sr. Abílio, a correr, convencido mesmo que aquilo podia matar-nos.
Às vezes, nas minhas insónias ou de quase vazio, relembro estas pessoas que fizeram parte da minha vida, eram afáveis, como a Se Maria Bombeira e assistiram ao nosso crescimento assim como nós assistimos ao seu declínio - E hoje relembramos com alguma saudade, embora na memória já enfraquecida, já se esfumam certos pormenores.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

A preto e branco

Nasce uma nova rubrica aqui no blogue. Uma rubrica que há muito andava para trazer aqui e que se irá chamar simplesmente "a preto e branco". Será um espaço dedicado simplesmente à fotografia, à fotografia a preto e branco.

Deixo-vos as três primeiras fotografias a preto e branco.

Espero que gostem deste novo espaço "a preto e branco".