sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Esta é mesmo verdadeira

ÚLTIMAS PALAVRAS
Este ciclo de anedotário teatral foi aberto com um dito de um dos nossos maiores humoristas cujo nome permanecerá sempre gravado a letras de ouro na história do Teatro Português: André Brun. Pois é dele, outra vez, a piada de hoje; e está espantosamente definidora do elevado espírito humorista que possuia, se atendermos a que foi proferida poucas horas antes de morre e numa situação angustiante e trágica.
André Brun morreu bastante novo - 39 anos, se não me engano. Uma doença pulmonar, que hoje se cura com relativa facilidade mas que na sua época era, quase sempre fatal, roubou ao Teatro e à Literatura Portuguesa um notável escritor que muito ainda nos teria a dar e a transmitir.
No seu leito de doente, o autor dessa admirável "Malta das TRincheiras", de "Os Meus Domingos", das notas sobre a "Sra. D. Aninhas" ( a sua filhinha idolatrada) e de tantas maravilhas literárias que criminosamente muitos desconhecem, André Brun esperava a hora final. As visitas estavam proibidas. Mas um amigo houve que ainda o queria ver. Impossível: ordens médicas o impediam. O amigo chorou, insistiu...Lá o deixaram entrar: já agora, se nada havia a fazer, se já tudo e todos estavam desenganados e resignados...Lá lhe abriram a porta...De chapéu na mão, muito a medo, silenciosamente tentando desvanecer o semblante de sincero pesar que o compangia e ensaiando um falso sorriso, o amigo lá penetrou. Habituando os olhos à semi-obscuridade do quarto, descobriu, lá ao fundo, o leito onde o príncipe dos nossos humoristas parecia dormitar...Para ali se atreveu dois curtos passos e aventurou-se a quebrar o sereno silêncio ambiente:
- "Então, André?...Como vais?..."
André Brun abriu os olhos com algum esforço, reconheceu o amigo, sorriu-lhe tristemente agradecido pela visita e disse-lhe cheio de resignação:
- "Olha! Devo ir de fato preto e de sapatos de verniz!..."
Julgo que ainda morreu nesse dia.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Feliz Natal

Feliz Natal para todos os visitantes do "freamundense".
Feliz Natal para todos os freamundenses.
FELIZ NATAL PARA TODOS !

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Natal

Uma imagem de Natal, da autoria do saudoso freamundense Quim Bica,  publicada no jornal "Gazeta de Paços de Ferreira", da edição da semana passada.
Uma homenagem à memória de Quim Bica nesta quadra natalícia.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Freamunde e a Casa do Infantado ( VII )

A Diplomacia do Rei Filipe IV de Espanha fizera correr na Europa que D. João IV era «rebelde» ao apoderar-se de Portugal pelo que teria de sofrer o castigo da traição que fizera contra a realeza filipina. Esta versão conquistou muitos exilados que em Espanha se opunham à Restauração. Também no Reino havia vários fidalgos que se opunham à nova situação, acusados de traidores acabarm por ficar detidos. Por mais alta que fosse a origem dos acusados, não podia ser diferente a reacção da Coroa, a fim de pôr termo a outras tentativas que pretendessem enfraquecer o ideal da Restauração. A hora era de sacrifícios e havia que assumi-los por inteiro. Esta leva de prisões sucedia às do dia 24 de Julho à noite, em que com menos aparato foram encarcerados Pedro Baeça, Belchior Correia da Franca e Diogo de Brito Nabo. A via da denúncia tivera o seu vértice no 5º Conde de Vimioso, recém chegado do Alentejo. O primeiro relato do plano que se urdia fora-lhe feito por Manuel da Silva Mascarenhas, natural do Torrão, que por seu turno, fora contactado para integrar a conspiração por Manuel de Vasconcelos, secretário do Conde de Vimioso. Assim que soube, o Conde apressou-se a comunicar ao Rei que insistiu em ouvir os detalhes do assunto directamente da boca dos dois denunciantes. Entretanto o Arcebispo de Braga abordou o Conde de Vimioso, julgando-o acessível à conjura pelo facto de o monarca não o ter convidado para o governo geral das armas do Reino. Na ânsia, mas também com a confiança, da sua adesão, confidenciou-lhe bastos pormenores do golpe que o Conde se prestou a transmitir. A confirmação última e com ela o imperativo evidente de acção adveio ao monarca com a denúncia de uns criados do Baeça que o davam combinado na conjura com o Franca e Brito Nabo.
Depois de encarcerados e postos a tormentos, os três confirmaram as revelações já feitas e de novo certificados por Luís Pereira de Barros, contador das Sete Casas de Lisboa e próximo de Miguel de Vasconcelos, em confissão feita alegadamente de moto próprio. Nela narrava a abordagem que o Baeça lhe fizera, como se comprova pelo interrogatório conduzido por António Pais Viegas nesse mesmo dia 24. Os indícios eram indisfarçáveis. Era inevitável agir. E assim, o Rei preparou uma estratégia durante essa noite com os seus mais próximos, tendo-se decidido a ser prudente e a aprontar um forte aparato militar. O pretexto foi o de que Sua Alteza Real desejava ir no dia seguinte da parte da tarde revistar pessoalmente os terços que se deviam posicionar, um no campo de Santa Clara, outro no Rossio e o outro no Terreiro do Paço. Mandaram também convocar os Conselheiros de Estado para as 3 horas da tarde. Entre essa hora e as cinco, o dispositivo militar estava prestes e os cavalos do Rei e do Estribeiro-Mor à beira da escadaria do palácio. No intuito de constituírem a comitiva régia, os fidalgos acorreram ao paço e a fim de comparecerem na reunião do Conselho de Estado, que o Rei também convocara, afluíram os seus membros, entre os quais se encontrava o 7º Marquês de Vila Real. Nessa altura foram presos o 7º Marquês de Vila Real, o Arcebispo nde Braga, o Bispo Inquisidor-Geral. Logo de seguida chegava o 2º Duque de Caminha, que ainda dentro do coche foi detido por Pedro de Mendonça e António de Saldanha. Foram detidos ainda mais implicados na conjura e, conduzidos uns para a Torre de Belém outros para o Castelo de S. Filipe de Setúbal e de Lisboa e ainda para a Torre do Outão, fortaleza de Cascais. (continua)
João Correia - Jornal Gazeta de Paços de Ferreira

domingo, 16 de dezembro de 2012

Poesia de Natal

A AALF (Associação de Artes e Letras de Freamunde), nesta quadra festiva, vai promover POESIA em alguns cafés de Freamunde. O primeiro café a receber esta iniciativa será o conhecido "Café Teles" no Centro Cívico da cidade, pelas 21:30h no dia 17 de Dezembro. Mais tarde seguir-se-ão outros cafés, cujos nomes ainda não estão estabelecidos.
Será soletrada poesia de David Mourão Ferreira, António Gedeão, entre outros. Também serão cantadas as Janeiras de Zeca Afonso, acompanhadas à viola por Pedro Correia.
Estão reunidos os ingredientes para um belíssimo serão cultural no célebre "Café Teles". A não perder!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Feira dos Capões 2012

"Conceição ri, Luzia chora"! A sabedoria popular assim o diz, e assim aconteceu! A manhã de hoje era convidativa para uma visita à Feira dos Capões. A tarde assim não o foi! Um temporal abateu-se sobre a cidade de Freamunde e a Feira dos Capões 2012. Péssimo dia para o negócio dos dezenas de comerciantes que se deslocaram para a edição deste ano da feira. Péssimo dia para as milhares de pessoas que aqui se deslocaram para as suas compras. Uma manhã convidativa, uma tarde horrível!..
Se bem que a instituição oficial se tenha verificado em 1719, por provisão D'El Rei D. João V, estudiosos indicam-no como costume medieval, de que há mesmo notícias em documentos do Séc. XV, muito anterior, portanto, à provisão atrás citada. A feira em que o Capão é rei e senhor, apesar do temporal, realizou-se. O Capão, iguaria sem par, é um produto com enorme potencial para a nossa região. Freamunde, uma vez mais, engalanou-se para a tão "sua" e única Feira dos Capões...
Ontem à noite realizou-se o tradicional Jantar de Gala para o apuramento do vencedor do "Concurso Gastronómico Capão à Freamunde". O vencedor deste ano foi o "Restaurante Penta", em Paços de Ferreira.
Deixo-vos alguma fotografias da Feira dos Capões 2012. As três primeiras fotografias em baixo expostas são dos capões vencedores do "Concurso Melhor Capão Vivo" da feira, inserido no programa da feira.
1º Prémio - "Concurso Melhor Capão Vivo"
2º Prémio - "Concurso Melhor Capão Vivo"
3º Prémio - "Concurso Melhor Capão Vivo"

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Lançamento do livro "Os meus contos de Natal"

É lançado, esta sexta-feira, pelas 21,30 horas, no Salão da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, o livro “Os Meus Contos de Natal”, da autoria do Professor Universitário José Neto.
Para o autor, trata-se de “um livrinho simples, muito simples de ensinamentos, memórias e imagens combinadas com o afectuoso sentimento de uma humilde comunidade que tanto me (o) honrou dela fazer parte”.
A obra, co
mo o título deixa transparecer, compreende 10 histórias vivenciadas pelo próprio narrador, razão pela qual se encontram perfeitamente enquadradas na época natalícia que atravessamos, até porque o excedente dos custos de edição do próprio livro reverterá a favor do Banco Social Solidário do Município pacense.
A cerimónia de lançamento do livro, que tem a chancela das Edições Tribuna, será antecedida de uma jornada promocional, no Complexo Universitário do ISMAI, onde o Professor José Neto exerce, presentemente, a sua docência.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Senhora da Conceição 2012 - Procissão

Integrada no programa da Festa da Imaculada Conceição 2012, saiu ontem à rua a procissão com o tradicional percurso. Uma belíssima, mas fria tarde, tão característica desta época do ano. Segundo a sabedoria popular, "Conceição de Sol, Luzia de chuva", o dia de ontem deixa antever uma Santa Luzia com chuva...Oxalá as "previsões meteorológicas" estejam erradas e tenhamos uma Santa Luzia como o dia de ontem...
Ficam as imagens da belíssima procissão da Senhora da Conceição 2012.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

190º aniversário da Associação Musical de Freamunde

Comemorou-se no passado sábado, dia 1 de Dezembro, o 190º aniversário da Associação Musical de Freamunde. 
As cerimónias começaram pelas 09:00h da manhã na Igreja Matriz de Freamunde, com missa cantada em memória de todos os músicos, maestros, sócios e dirigentes já falecidos, seguido de romagem ao cemitério. Às 11:00, na Casa da Cultura de Freamunde, as comemorações iniciaram-se com a Banda de Freamunde a interpretar o Hino de Freamunde para todos os presentes. De seguida foi exibido um belíssimo e emotivo filme alusivo aos 190 anos da Banda. Seguiram-se as intervenções do presidente da Associação Musical de Freamunde, José Maria Taipa, e Pedro Pinto, presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira. Findas as intervenções, foi assinado o acordo de acomodato para a nova sede da Associação que a partir de agora passará a ser nas antigas instalações da Escola de Santa Cruz.
Nesta cerimónia foi também apresentado o livro "Associação Musical de Freamunde - 190 Anos", da autoria do nosso conterrâneo Joaquim Pinto. Um belíssimo livro que narra a história da mais antiga associação de Freamunde. Um belíssimo e árduo trabalho de pesquisa agora ao serviço de Freamunde e dos freamundenses. A "nossa"  Banda merecia-o. Freamunde merecia-o. Parabéns Joaquim Pinto! 
De realçar que, Joaquim Pinto, foi o autor do livro "Sport Clube de Freamunde - Vida e Glória", lançado em 2008 aquando do 75º aniversário do clube, e já tem em preparação mais dois trabalhos a editar brevemente sobre a história do Grupo Teatral Freamundense e da Sociedade Columbófila de Freamunde. Ficamos a aguardar!...
Da parte de tarde foram inauguradas as novas instalações da Banda. Finalmente, agora, depois de muitos percalços ao longo destes anos, com instalações mais condignas para a sua actividade!...
Parabéns Associação Musical de Freamunde. Parabéns Direcção da Associação. Parabéns pelo excelente trabalho realizado em prol desta Associação centenária!
As três últimas fotografias foram gentilmente cedidas por Celeste Martins, da Foto Cherina. Muito obrigado!