terça-feira, 4 de junho de 2013

Poesia de Freamundenses

DOS TEUS AMORES

Para que olhes a verdade
A teu redor, ou quando está ausente
Vejas nela sempre a felicidade
E que no amor sejas crente

Toda a verdade é clara
Como a rosa com espinho
Assim eu sou para ti
Como água do moinho

Não há verdade mais bela
Que nela, haja sempre sinceridade
E que de mim ou de ti
Saia somente a verdade

Se forem más, as notícias
Quero a verdade somente
Como de mim para ti
Pois meu coração não mente

A minha verdade é simples
Amar-te eternamente
Beijar-te a ti, somente
Olhar para ti docemente

Que a doce é a minha verdade
Mais doce que o próprio mel
No meu coração é guardado
O segredo é ser-te sempre fiel

Agora te jurarei
De ti estar sempre perto
Recebe milhões de beijos
De mim e do Zé Berto

Que é um pequenino ser
Um coração em flor
Todo o corpo dele
É fruto do nosso amor

Assim os teus amores
Se despedem, com saudade
Pois que este dia
Te traga muita felicidade.

ILDA MALHEIRO - "ALMA FREAMUNDENSE" - JULHO DE 2004
Poema escrito em 12 de Maio de 1974

Nenhum comentário: