quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Freamunde e a Casa do Infantado (XV)

A Casa do Morgado de Freamunde, foi em parte pertencente a um prazo de Vidas da Casa do Infantado.
Num período de grande agitação social, Freamunde não escapou em 1842 às surtidas e abusos dos soldados sob o comando do Barão de Freamunde, General Soares de Moura, influente no concerto de uma paz que se pedia como pão para a boca. As revoluções sucediam-se a cada momento, sendo as mais importantes a de Setembro que restaurou a Constituição de 1822, a dos marechais Saldanha e Duque da Terceira que pretendiam impor a Carta Constitucional; a de Costa Cabral que substituiu a Constituição pela Carta; a da Maria da Fonte contra o governo de Costa Cabral e ainda a dos Regeneradores, chefiada pelo Marechal Saldanha que lhe deu a chefia do governo e ficou conhecido como o Governo da Regenaração.
Entretanto em Freamunde, reuniram-se uns conjurados contra o governo liberal, entre os quais o capitão-mor António José Lopes de Meireles, do Alto da Feira. Os liberais triunfaram, a denuncia não se provou e os atingidos recuperaram as suas categorias sociais. O capitão-mor Lopes de Meireles creditara-se como grande patrocinador de muitos eventos.
Quando em 1850 se firmou o contrato de casamento do ilustríssimo senhor Henrique Pinto de Vasconcelos Abreu e Lima (vindo da Casa da Manguela - S. Tiago da Carreira - Santo Tirso) viviam na casa da Feira o acima citado capitão-mor Lopes de Meireles, viúvo, e sua legítima filha D. Maria Augusta Lopes de Meireles. Só posteriormente começou a designar-se por Casa do Morgado, (filho mais velho ou herdeiro de bens vinculados) pois até então era conhecida por Casa da Feira, a partir de 1720, data da primeira feira dos 13 de Junho.
O nosso Morgado, figura muito querida em Freamunde, nasceu a 12 de Julho de 1824, e faleceu a 13 de Fevereiro de 1907, contando 83 anos. Seus pais viveram na Casa da Manguela - S. Tiago da Carreira - Santo Tirso e ali devia ter nascido o Morgado.
Não sem propósito as notas que se seguem referentes a um prazo de Vidas que pertencera à Casa do Infantado, sendo morador em 1833, o sargento-mor Leonardo José Lopes Guimarães, sujeito a um fôro de 150 reis, imposto na Casa da Devesa da freguesia de Freamunde e pago à Casa do Infantado.
Em 1822, Henrique Pinto de Vasconcelos Abreu e Lima pediu certidão do dito fôro. Este documento encontra-se na posse de familiares do meu saudoso amigo José Maria Gomes Taipa, na Casa do Morgado no Alto da Feira.
Por esta escritura ficamos a saber que a 9 de Outubro de 1752, Ana Maria Nunes (viúva do capitão Manuel de Sousa Ferreira, morador em Penouços - Ferreira) era tutora de sua filha mais velha Águeda Maria e esta herdeira de uma morada «de cazas com o seu quintal serrado de parede e uma deveza da parte de fora, sito tudo no eirado da Feira da Freguesia de Freamunde».
O auto em referência (de apegação e confrontação) foi lavrado a 27 de Outubro de 1752. Nele figuram: o d
Dr. Manuel Correia de Mesquita Barbosa, corregedor, provedor da Comarca do Porto, juíz dos Tombos da Vila e Honra de Sobrosa, de Azurara e Paços de Ferreira, e com ele o Dr. Rodrigo Coelho Machado Torres (Vila Cova - Sanfins), juíz de Fora de Vila do Conde; o escrivão fiscal Francisco Félix Henriques da Veiga (Casa da Torre Paços), mais tarde 1º Governador da Fortaleza da Póvoa de Varzim e cronista desta Vila de muito merecimento: o meirinho (antigo oficial de diligências) Manuel Teles de Meneses de Paços. Mediram uma cerca toda em redondo com 291 varas e meia (vara, antiga medida equivalente a um metro e dez centímetros) e dentro havia algumas casas, um poço de balde, terra lavradia e de mato. Mediram pela parte de fora desta cerca para a parte norte, um território que foi devesa e fôra até à roda de 1990 chão de feira.
Não restam dúvidas de que este  diz respeito à Casa do Morgado e terrenos vizinhos...que entraram em cedências e formam hoje o Alto da Feira. (Continua)
João Correia - "Freamunde e a Casa do Infantado" - Jornal Gazeta de Paços de Ferreira

Nenhum comentário: