quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Toponímia Freamundense

RUA DO COMÉRCIO (CONCLUSÃO)
A empresa Albino de Matos, Pereiras & Barros, Lda que chegou a ter mais de 400 empregados, fabricava não só mobílias de alta qualidade mas também material escolar, milhares de escolas primárias foram mobiladas com os móveis da saua marca"ALBAR", mas também colégios, liceus e universidades. A fábrica tinha também uma óptima serralharia que fabricava especialmente móveis sofisticados para hospitais e casas de saúde. Havia uma boa secção de colchoaria e estofos, tinha cromagem, uma vidraria e espelhagem, e até moinhos para moer milho ao público e, nos anos de seca, os moleiros de Sousela, Arreigada, Frazão, etc., aqui traziam o milho para atenderem os seus clientes. Uma completa drogaria para a fábrica e público em geral, onde se vendia cal, telha e até palha trilhada para os camiões da fábrica que os camiões da fábrica traziam ao regressar das entregas do mobiliário. Posto de combustível aberto toda a noite e balança para pesar camiões. Uma cantina para os operários que assim o desejassem almoçar para não se deslocarem a casa.
A fábrica "ALBAR" encerrou as suas portas a partir do dia 1 de Setembro de 2006, oitenta e três anos após a sua fundação. O gerente, senhor Teodoro Alberto Machado Pereira, funcionário da mesma há 56 anos refere que «fecha as portas com apenas 42 empregados sendo todos eles indemnizados», menciona ainda que «durante anos insistimos na fabricação de mobiliário para as escolas, mas a concorrência foi aumentando e as coisas passaram a ficar cada vez mais difíceis (...) talvez se tivéssemos ido por outros caminhos, como outros fizeram, as coisas poderiam ter sido diferentes», conclui.
A notícia do encerramento de actividade desta empresa fabril, foi recebida com surpresa e tristeza, tanto por parte dos funcionários como da população que via nessa fábrica uma espécie de mãe que acudia sempre que necessário a qualquer pessoa que lhe solicitasse fosse o que fosse, pois naquela fábrica nada faltava.
Eu próprio me socorri muitas e muitas vezes dos seus favores.
Ficou na memória de quantos assistiram ao incêndio de 5 de Agosto de 1964, que destruiu a ala nascente da fábrica onde se encontrava a secção da colchoaria e estofos, assim como a drogaria que desapareceram por completo.
 Edifício da antiga "escola dos meninos", ou "escolas amarelas", construído em 1938
Actualmente é a sede da A. C. R. Pedaços de Nós
No local da primitiva fábrica de móveis da firma Pereiras & Barros, Lda, foi construído e inaugurado em 1938, um edifício para a escola de meninos, as chamadas escolas amarelas da rua do Comércio, onde o autor destas linhas que mora a uns escassos metros, ali aprendeu a ler, escrever e contar com os excelentes professores Francisco Fernandes Valente e esposa D. Alcina Valente.
 Edifício da antiga "escola das meninas", construído em 1927
Actualmente é o posto da Guarda Nacional Republicana de Freamunde
Ainda do lado norte, o edifício escolar que deu o nome à avenida das escolas, hoje rua Professor Francisco Valente, foi construído em 1927, e de princípio serviu para os dois sexos, foi depois sede da Junta de Freguesia e hoje está ocupado pela Guarda Nacional Republicana. Assim que a G. N. R. abandone o edifício está previsto a instalação de um museu onde serão expostas entre outros as ferramentas que serviram aos marceneiros das diversas fábricas de móveis e oficinas de Freamunde.
Mesmo no final da rua e numa casa térrea que nos princípios do século XX, pertencia a Martinho Monteiro, vendedor de peixe, foi a pequena habitação vendida a Serafim Pacheco Vieira, que a aumentou com o 1º andar e aquele elegante varandim, está hoje uma frutaria onde por volta dos anos 30 foi uma alfaiataria, depois uma loja de venda de Pão de Ló de Margaride, a seguir uma barbearia, depois um posto de leite, e já há algumas décadas a frutaria acima referida. 
O topónimo de rua do Comércio está perfeitamente adequado.
João Correia - "Toponímia Freamundense" - Jornal Gazeta de Paços de Ferreira

Nenhum comentário: