quarta-feira, 1 de junho de 2016

Poesia de Freamundenses

O MEU MUNDO E A CRIANÇA

Criança que brincas à minha porta
Na lama das chuvas que ontem cairam,
Inventas castelos de lama e de terra
Dos contos de fada que sempre fugiram.

Brincas com o sonho, com a fantasia
Ergues os olhos rasgados de esperança
Os castelos que fazes de terra amassada
São o ano, o dia em que és mais criança.

Ao agarrares uma pedra, agarras o Mundo
E o Mundo é tão belo posto na tua mão!
Pureza do Mundo liberto das armas
Da fome, da morte e da destruição.

JACINTO SOUSA - "FREAMUNDE E O SENTIMENTO POPULAR" - 1987

Nenhum comentário: