quarta-feira, 14 de setembro de 2016

A sina dum revoltado

AS SOMBRAS DO NADA

Gostava de cavar a sepultura
onde eu hei-de viver eternamente!
Desinfetá-la bem com aguardente,
o perfume da minha criatura
 
Mas não tenho dinheiro, nem vontade,
p'ra comprar e matar os meus desejos!
Ela só é de borla prós despejos
não contaminarem a caridade.
 
Só lá serei burguês, como os burgueses,
quer sejam Espanhóis ou Portugueses,
Nada me vai faltar, nada preciso.
 
Nem de missas tão pouco! Nada! Nada!...
Vai-se entreter comigo a bicharada,
De mim não vai sobrar nem o juízo.
 
RODELA - "A SINA DUM REVOLTADO" - MARÇO DE 2016

Nenhum comentário: