sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Dom António Taipa

...E tudo começou assim:
...Desde pequenino que falava que ia ser padre, contra a vontade do meu pai que tinha uma alfaiataria e precisava do auxílio do filho para que o negócio tivesse continuidade. Os estudos ficariam, pois, para trás. Escapadelas?!... Só para o "pontapé na bola", nem que chovesse! - recordou a irmã, Maria Ângela, ideia corroborada por Vitorino Ribeiro, amigo de infância de António Taipa.
Mas o "caminho" estava traçado: concluído o exame de admissão, passou a frequentar, entre 1954 e 1966, os seminários diocesanos de Ermesinde, Trancoso, Vilar e Seminário Maior de Nossa Senhora da Conceição, onde cursou filosofia e teologia.
A ordenação sacerdotal, foi-lhe conferida no dia 15 de Agosto de 1966 na Sé Catedral do Porto por D. Florentino Andrade e Silva.
MISSA NOVA:
«Pelas 11,00 hrs do dia 21 de Agosto de 1966, com a Igreja Matriz de Freamunde repleta, começou a missa celebrada pelo neo-presbítero, acolitado pelo pároco local, José Augusto Sousa, e por dois condiscípulos e amigos, estando a parte coral a cargo de um grupo de seminaristas e de jovens freamundenses. A homilia foi da responsabilidade do Rev. Alves Dias que enalteceu as grandezas do sacerdócio, e às lavandas serviram o pai do novo sacerdote, Daniel de Oliveira Taipa, e seu avô materno, Joaquim de Bessa Ribeiro.
Terminada a cerimónia do beija-mão, organizou-se um cortejo, abrilhantado pela Banda de Música local, em direcção à propriedade de D. Glória Vieira e irmãs, onde foi servido o almoço a cerca de duas centenas de pessoas.
Na altura própria, brindaram pela felicidade do novo sacerdote, o Rev. Alves Dias, o pároco local, um seu antigo condiscípulo, o Rev. Domingos Moreira, José Maria Pinto de Almeida e o Dr. João Neto.
Lidos diversos telegramas de felicitações, encerrou a série de brindes o Rev. António Maria de Bessa Taipa que, emocionado e reconhecido, agradeceu todas as provas de amizade e estímulo».
Já ordenado presbítero, entra no Seminário do Paraíso, na Foz, como prefeito e professor.
No ano seguinte vai estudar para a Universidade Gregoriana, na cidade de Roma, Itália, onde faz a licenciatura em Teologia Dogmática e no Pontifício Instituto Bíblico a licenciatura em Sagrada Família.
Já com o ilustre e carismático Bispo D. António Ferreira Gomes no "governo" da Diocese do Porto, é nomeado, em Outubro de 1972, prefeito e professor de Sagrada Escritura e Teologia Dogmática do Seminário Maior, mais tarde Instituto de Ciências Humanas e Teológicas (ICHT).
A partir de 1987 torna-se docente da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa.
ORDENAÇÃO EPISCOPAL:
Na tarde do dia 18 de Abril de 1999, os sinos da Sé Catedral repicaram em anúncio da ordenação episcopal do Bispo auxiliar do Porto, D. António Maria Bessa Taipa, tendo sido Bispos ordenantes D. Armindo Lopes Coelho, D. Júlio Tavares Rebimbas e D. João Miranda Teixeira (Significativa a presença das Igrejas Irmãs Lusitana, Anglicana, Metodista e Luterana alemã, em sinal da unidade de Missão que cada vez mais se assume e, em momentos mais significativos, também se exprime). Ordenação que juntou, também, dezenas de sacerdotes, bispos, seminaristas,  autoridades civis, familiares e muitos freamundenses. A sentida ambição materializava-se em realidade.
Nomeado pelo Papa João Paulo II, a 22 de Fevereiro, o "dilecto filho" do clero portuense recebeu a difícil tarefa da pregação do Evangelho, de impedir a degradação da religiosidade, levando a palavra de Deus até aqueles que experimentam o "pesadelo do sonambolismo".
O homem de gostos simples, filho de Freamunde, terra que o viu nascer a 11 de Novembro de 1942, aceitou, de joelhos, a antiga missão dos apóstolos que lhe confiaram, enunciando a sua felicidade:
«... Sinto, de um lado, o sentimento da fraqueza, da limitação, da incapacidade radical diante da missão que me é confiada; do outro lado, a certeza da fé que é o Senhor que me chama e de que nada me faltará. Por isso, lhe agradeço por ter querido servir-se de mim para o seu instrumento na sua obra de salvação dos homens. Feito bispo para o meu povo, sinto e vivo esta consciência: que me devo também à comunidade onde nasci e cresci, à comunidade onde Deus me encontrou. E penso na minha família. Uma família grande, simples e pobre, mas rica de uma felicidade que só o Senhor conhece» - Excertos do "Jornal de Noticias" que noticiou, assim, o acontecimento, enchendo as páginas interiores na edição do dia seguinte. Mas não só.
"Voz Portucalense":
«..."Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho" - foi a proclamação mais forte na celebração episcopal de D. António Maria, bispo auxiliar do Porto, na Sé.
Apresentado por dois presbíteros, os padres Jorge Cunha e Manuel Mota, do Seminário Maior, D. António Maria fez a sua confissão de Fé e promessa de obediência pastoral, prostrando-se depois por terra enquanto se cantavam as ladainhas dos Santos. Realizou-se depois a imposição das mãos, oração de Ordenação, unção com o Santo Crisma e a entrega do Evangeliário. Foi-lhe entregue depois o anel, a mitra e o báculo, sinais da Missão em que é investido.
O canto do Coro, com Orgãos e Metais, e o profundo significado desta acção litúrgica penetraram de tal modo as pessoas que se criou um ambiente marcante e cheio de interioridade».
"Comércio do Porto":
«... Não esquecendo a comunidade onde nasceu e cresceu, a família, os párocos e catequistas que o introduziram nos ministérios da Fé ou a "Igreja do Porto", D. António Taipa teve uma palavra especial para D. António Ferreira Gomes, que o admitiu ao seminário, D. Floriano, que o ordenou presbítero, e D. Júlio Tavares Rebimbas, com quem trabalhou seguidamente.
Mas a menção especial foi, sem dúvida, para o seminário e os seminaristas, "alavanca na minha esperança e na minha fé nesta nossa querida Igreja"».
"Gazeta de Paços de Ferreira":
«... O templo (Sé Catedral do Porto) tornou-se pequeno para acolher centenas de amigos de D. António, principalmente da vila de Freamunde, estando a Câmara Municipal representada pelo seu presidente, Prof. Arménio Pereira».
"Imediato":
«...Foi de emoção a cerimónia de ordenação de D. António, em especial para todos aqueles que de Freamunde, e não só, se deslocaram à Sé do Porto.
Em carta de nomeação, em 22 de Fevereiro, João Paulo II termina dizendo: "Nesta hora, recomendamos-te, dilecto filho, que confies todo o teu empenhamento a Cristo que inaugurou o reino dos céus na terra e nos revelou os mistérios divinos"».
"Tribuna Pacense":
«... A Diocese do Porto acaba de ser enriquecida, com a nomeação do novo bispo auxiliar - D. António Maria Taipa.
Motivo de rejúbilo para as nossas gentes, o facto de ser oriundo (Freamunde) destas Terras de Ferreira».
"TVS - Terras do Vale do Sousa":
«... É de Freamunde o novo Bispo Auxiliar do Porto. A alegria de uma freguesia que nunca teve um bispo foi materializada».
 "FREAMUNDE RECEBEU O SEU BISPO EM CLIMA DE FESTA "
No dia 24 de Abril de 1999, Sábado, Freamunde "viveu um dia de alegria e orgulho incontido".
"Ele é nosso! É de Freamunde". Era o sentimento generalizado na população que viu nascer e crescer o seu "menino querido" António Maria Bessa Taipa.
Antes do jantar/festa, organizado por uma comissão liderada pelo pároco local, Rev. Arnaldo Meireles, aconteceu o momento de maior simbolismo: o cónego António Taipa, já como Bispo Auxiliar do Porto, celebrou uma eucaristia, no "Pavilhão das Sebastianas", repleto de fiéis, cerimónia abrilhantada por um grupo coral dirigido pelo diácono Pedro.
No termo da eucaristia representantes da Câmara Municipal, Junta de Freguesia, Colectividades desportivas e recreativas da terra, ofertaram a D. António várias lembranças.
A homenagem terminou com um jantar/convívio, no salão da "Carfel", espaço gentilmente cedido pelo seu sócio-gerente, Carlos Felgueiras, onde marcaram presença cerca de 400 pessoas. O reconhecimento público da paróquia e do orgulho dos freamundenses pelo filho da terra, simples, sabedor, piedoso e prudente, a quem foi entregue um báculo, bordão utilizado nas cerimónias litúrgicas como sinal da jurisdição dos bispos.
Foi uma "Festa" de emoção. Como emotivos e comoventes foram os agradecimentos de D. António nas palavras finais.
"JUBILEU SACERDOTAL"
Dom António celebra hoje, 15 de Agosto de 2016, o Jubileu de 50 anos de ordenação presbiterial.
A efeméride é assinalada com a celebração da Eucaristia, às 18,00 horas, na Igreja Matriz de Freamunde, que contará com a presença de entidades eclesiásticas, civis e militares, amigos e fiéis.
A celebração Eucarística é organizada pelo "Deo Gracias Coro Litúrgico", elementos de outros coros existentes na paróquia de Freamunde e a colaboração da Associação Musical de Freamunde.
PARABÉNS, D. ANTÓNIO
PARABÉNS, FREAMUNDE

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Teatro

Inicia-se a 2ª Temporada da última produção do Grupo Teatral Freamundense - Viúva Porém Honesta ," uma farsa irresponsável" de Nelson Rodrigues
Bilhetes à venda na Loja JCA Freamunde e Loja 1930 ( Loja da menina Miquinhas ), Alto da Feira,  Freamunde.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Uma pintura

Esta pintura foi-me oferecida por um amigo meu há já algum tempo. Guardei-a para fazer dela um quadro e colocá-lo num local bem visível. O que é certo é que esta pintura caiu no esquecimento. Recentemente encontrei-a, e decidi então fazer o tal quadro.  
Nesta pintura é visível um edifício de apartamentos que penso que a maioria dos freamundenses conhecem muito bem. Este edifício e esta pequena casa, demolida há mais de 20 anos pra dar lugar a uma outra habitação, situam-se na Rua 25 de Abril, na Gandarela.
Não sei o nome deste edifício de apartamentos, (se é que tem nome), foi construído na década de 1980 do século passado. Nele existiu um café de seu nome "Café Tó-Jó", e nós, os da minha geração, na nossa infância, apelidamos este edifício de "Prédio do Tó-Jó"...E assim ficou com este apelido até aos dias de hoje...
A pequena casa visível na pintura, foi morada da minha família. Nela viveram os meus avós paternos e seus filhos, os "Loreiras" da Gandarela. O meu pai, Abílio, e os meus cinco tios: Adão, Albino, Joaquim, Teodoro e José. A minha avó aqui viveu quase até ao dia da sua morte em 1994, com a bonita idade de 97 anos! Minha avó antes de falecer, viu partir à frente dela 3 filhos: o meu tio Teodoro, o meu tio Joaquim, e o meu pai, Abílio Loreira...Já lá vão 23 longos anos desde a sua partida...Da família que aqui viveu, já só resta o meu tio Albino...
Uma pintura, que se vai transformar em quadro, com um forte valor sentimental...

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Em tons sépia

Uma fotografia da Capela de São Francisco captada por estes dias, com efeito sépia. Uma capela construída em 1737, portanto, com 280 anos de existência. E neste ano que completa 280 anos, a capela está de "cara lavada", após obras de recuperação.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Toponímia Freamundense

 RUA PADRE CASTRO
A Rua Padre Castro situa-se no Lugar de Xistos, liga a Rua do Comércio à confluência das ruas de Matos / Pessô, Rua Nova de Abrute e Avenida da Quinta do Monte.
PADRE CASTRO
Esta rua homenageia Padre Castro, industrial, defensor por múltiplas formas dos interesses de Freamunde e autêntico suporte de algumas das suas mais importantes instituições em épocas de crise económica e social.
O nome desta rua foi uma proposta da Comissão de Toponímica nomeada e aceite por deliberação da Junta de Freguesia em sessão extraordinária de 13 de Maio de 1983.
Pra ficar a conhecer melhor o homenageado desta rua, visite o blogue "Freamunde: Factos e Figuras", da autoria do freamundense Joaquim Pinto.
Acto da inauguração da Rua Padre Castro, pelo seu sobrinho, Dr. Acácio, no dia 11 de Junho de 1983.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

A sina dum revoltado

AO SABOR DOS MEUS VERSOS

Faço versos, porque gosto
de sentir esse prazer!
Nunca p'ra subir de posto,
nem p'ra mostrar o saber.

Meus versos, p'ra mim, são filhos,
netos, irmãos e bisnetos.
E todos me dão sarilhos,
quer sejam brancos ou pretos.

São loucos por natureza,
não se sentam nma mesa
a discutir as razões

de melhor gerir o mundo.
P'ra si já são leis no fundo,
antes de serem questões.

RODELA - "A SINA DUM REVOLTADO" - MARÇO DE 2016

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Banda de Freamunde ( XVII )

Em Novembro de 1952, José de Sousa Teixeira Bonito, conceituado comerciante da "Pastelaria Cunha", do Porto, contemplou a banda, que havia acompanhado ao Ervedal, a convite do colega João de Brito, com um lindíssimo estandarte. Porque quem dá é amigo, o referido benemérito foi alvo, dias depois, de ma singela homenagem, prestada por alguns freamundenses, com a colaboração de todos os componentes da banda. Assim, após condigna recepção à entrada da Vila, na sala de ensaios, sita nuns aposentos cedidos por Abílio Pacheco de Barros, na Rua do Comércio, foi descerrada a fotografia do simpático portuense. Fotografia que ficou a fazer companhia à do competentíssimo maestro, João de Brito, já lá antes colocada. Finda a cerimónia, os convidados dirigiram-se para o Clube Recreativo, onde foi servido um lauto almoço.
Mas não ficaram por aqui os agradecimentos. A própria banda brindou, na Associação de Socorros Mútuos, o senhor Bonito com um brilhante concerto. Ouviu-se "Semiramis-Ouverture", Rapsódia Eslava e Rapsódia nº 3. Alguns alunos de João de Brito, em acordeão, complementaram, para gáudio dos presentes que lotaram o salão, o recheado e muito aplaudido programa.
Sempre altruísta, sempre disponível, a banda abrilhantava as comunhões solenes; os aniversários (nunca faltava no 19 de Março, na ASMF); as visitas pascais, em Eiriz, Sanfins, Meixomil, Lamoso, Arreigada...Umas vezes ao domingo, outras à segunda-feira, onde dava as boas festas, em cumprimento de velhas tradições filarmónicas. Oportunidade para os músicos, nunca fugindo aos "sacrifícios" e porque o paraíso não era de fartura, darem largas ao seu constante e voraz apetite; as inaugurações por exemplo, a do monumento a Dona Sílvia Cardoso, em Setembro de 1953. O cronista da Gazeta relatou assim o acontecimento: «...Era já tarde, cerca das 23 horas: No Largo do Monumento muitas pessoas se encontravam ainda. Potentes holofotes iluminavam a figura de Dona Sílvia Cardoso. Uma camioneta pára em frente ao Hospital. Era a Banda de Música de Freamunde. Forma, e tocando uma marcha linda, dirige-se ao monumento. Todos se levantam com respeito. Uma harmonia suave se faz ouvir então. Muitas palmas. Lágrimas nos olhos. Era bem sentido aquele preito de homenagem.
Alguns membros da Comissão, presentes, dirigem-se ao encarregado da Banda a prestar-lhes os seus agradecimentos.
-"Nada têm que agradecer", respondeu. "Ela tudo merece..."
E com o toque de um novo hino, lá se vão a caminho da sua Vila.
É digna de louvor, de muito louvor, a Banda de Freamunde». 
Porém, para espanto geral, discretamente, sem alaridos, denotando uma postura de elevada dignidade e uma modéstia que, por vezes, surpreendia, João de Brito disse adeus à banda.
JOAQUIM PINTO - "BANDA DE FREAMUNDE - 190 ANOS" - 2012

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O rosto da galinheira

Uma fotografia do rosto da galinheira, do monumento ao capão e à cidade de Freamnde, situado na Praça 19 de Abril, data em que se comemora a elevação de Freamunde à categoria de cidade, ocorrida no dia 19 de Abril de 2001. Esta obra é da autoria do freamundense Augusto Ramos.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Gente da Nossa Terra

 DONA CREMILDE

A senhora professora
que aqui está na vossa frente,
não sendo filha da gente...
nunca foi filha de fora.

Nesta terra, nossa e dela,
foi amada, soube amar
e acabou de se formar
na escola da Gandarela!

Foi assim que esta senhora,
como aluna e professora,
nos ajudou a crescer

como terra de cultura,
com seu saber e postura,
que a gente sabe entender!

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

A preto e branco

Desta vez, nesta rubrica "a preto e branco", uma fotografia da antiga Fábrica Albino de Matos, Pereiras & Barros, Lda, mais conhecida como "Fábrica Grande". Uma fábrica que em tempos mais longínquos foi uma grande entidade empregadora, e que há mais de 10 anos se encontra abandonada. Uma antiga fábrica que vai dar lugar a uma grande superfície comercial. Sinais do tempo...

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Banda de Freamunde - quase 200 anos a dar-nos música

À CONVERSA COM LUÍS REGO
A Banda de Freamunde é uma das associações mais antigas do concelho de Paços de Ferreira, sendo 1822 o ano apontado para a sua fundação, de acordo com algumas fontes que nos levam até ao segundo quartel do século XIX, portanto estamos perante uma instituição quase bicentenária, que, no entanto, revela uma vitalidade de fazer inveja à juventude mais azougada da actualidade.
Fomos até Freamunde para conhecer melhor esta “jovem bicentenária/quase” e ninguém mais talhado para nos ciceronear que Luis Rego, o popular Lula, actual Presidente  da Direcção, um freamundense dos quatro costados, que transpira bairrismo por quantos poros o seu corpo tem, e nos fala de coração aberto da Banda, da sua componente popular, da qualidade de músicos e maestros, do empenho dos  dirigentes ( o Zé Maria quase lhe arranca uma lágrima), do seu prestigio no Norte do Pais e mesmo além fronteiras, da tuna, da escola de música, da Gandarela (Ah! A Gandarela!), dos apoios, das dificuldades e das ambições (sempre renovadas).
Fomos até às Escolas de Santa Cruz, mesmo junto da tão cantada Fonte do Agrelo, donde brota a água com o supremo condão de grudar, definitivamente, quem dela bebia/bebe, ao chão freamundense (o modernismo da água canalizada da AGS acabou com este romantismo todo), alegramo-nos/entristecemo-nos por “ver” um velho amigo, daqueles que conseguem libertar-se da lei da morte, ali firme, esculpido por mãos com a alma do húmus comum, e muito tristes continuamos com a degradação da fachada do prédio e do abandono e incúria do espaço envolvente.
O Luis esperava-nos nas traseiras do edifício e lá nos conduziu para a sede da Banda. Então voltámos a sorrir e o caso não era para menos. Entramos na Biblioteca e pudemos ver largas centenas de livros, de variados géneros desde a poesia ao direito, doados por José Carlos Vasconcelos, um dos maiores freamundenses (se não mesmo o maior freamundense, de todos os tempos) no campo da cultura, do jornalismo,do Direito e da intervenção cívica. Passamos ao Museu, onde apreciamos os inúmeros factos da memória bicentenária da instituição e terminamos a visita na sala de ensaios, que nos maravilhou pelas excelentes condições acústicas de que dispõe, fruto da aplicação, no tecto e nas paredes, da mais avançada tecnologia.
Depois, foi uma longa conversa, de que vos deixamos os tópicos que nos pareceram mais interessantes.
Entrada de mulheres na Banda
A entrada de Mulheres na Banda de Freamunde deu-se no dia 24/04/2014 no concerto do 25 de Abril, promovido pela Câmara Municipal de Paços de Ferreira e pela junta de Freguesia de Freamunde. Nesse concerto foram apresentadas as duas primeiras mulheres a ingressarem na Banda: Raquel Pedra e Patrícia Martins.
Concertos em Festas e Romarias
A Banda de Freamunde, devido à sua qualidade artística, é sempre muito solicitada. Os pedidos surgem de várias zonas do norte do País e por vezes do sul. Nem todas as cidades, vilas ou aldeias têm o privilegio de ter a nossa Banda nas suas festividades, geralmente por motivos financeiros. Neste ano em que completamos 195 anos de existência, 195 anos de atividade ininterrupta, 195 anos a elevar bem alto o nome de Freamunde e do concelho, temos um leque de festas contratadas muito bom. No concelho, atuamos em Freamunde, Ferreira e Carvalhosa. Fora do concelho temos Rio Mau (Vila do Conde), Trofa e Campeã (Vila Real) e no Minho vamos abrilhantar as bonitas festas de Fragoso (Barcelos), Vila Mou (Viana do Castelo), Forjães e Marinhas (Esposende) e Fontão (Ponte de Lima).
Alegrias e Tristezas         
Ao longo da sua existência a Banda de Freamunde viveu momentos brilhantes, tais como as várias idas a França e Espanha, a participação no Batizado Real do 3º filho de D. Duarte  e Dona Isabel, sendo a única Banda convidada, comemoração dos seus 170 anos com  reunião e  concerto de todas as Bandas Militares do País -facto inédito- a festa de homenagem ao maestro Manuel Abreu Neto, o titulo de Instituição de Utilidade Pública, a comemoração dos 190 anos com a publicação do livro do historial da Instituição e a inauguração das atuais instalações. Acontecimento muito triste deu-se em 15/09/1919. Quando a Banda de Freamunde se dirigia com destino a Castelo de Paiva para tocar numa festa que ali se realizava, em Senradelas-Penafiel, a camioneta que transportava os músicos despenhou-se numa ribanceira, tendo morrido um dos executantes de seu nome José Ferreira Rego de 39 anos e ficando feridos quase todos os restantes.
Colaboração da Banda com a Terra
A Bande de Freamunde sempre teve uma relação privilegiada com a sua terra merecendo por isso o carinho de todos os Freamundenses. As suas atuações em acontecimentos que marcam etapas da nossa história coletiva, foram sempre uma nota importante que importa salientar. É que em colaborações várias como dos aniversários da elevação a Vila e Cidade, das instituições como os Bombeiros Voluntários de Freamunde, o S.C. Freamunde, a Associação dos Socorros Mútuos Freamundense, o Grupo Teatral de Freamunde, em Festas religiosas e Procissões, em inaugurações como do Centro Escolar e da Escola Secundária, em Festas de Homenagem, na toponímia das ruas, etc, a Banda foi uma presença constante, fator de embelezamento cultural e de união.
Projectos
Continuar a trabalhar afincadamente para que o bom nível da banda se mantenha (se possível melhorar ainda mais), contratar festas, manter a maioria da estrutura e o bom ambiente que existe, apoiar a Tuna e dar muita atenção e carinho à nossa Escola de Música, além de outras ideias que estão na nossa mente.
Dificuldades financeiras
Existem muitas e variadas, mas felizmente temos a situação mais ou menos controlada, apesar de eu ser um credor habitual. Há alturas em que o dinheiro não chega para certos compromissos e, nessa ocasião tem de haver alguém que abra os cordões à bolsa e não é qualquer um que faz isso, para mais nos tempos que correm. No ano passado a Banda estreou um novo fardamento na Festa de Santo António e como não havia possibilidades financeiras, fui eu, com muito prazer, que o ofereci.
Direcção = paixão e disponibilidade
É preciso sobretudo ter muita paixão, viver o seu dia a dia e ter muita disponibilidade de tempo. Uma Instituição como a Associação Musical de Freamunde já requer tempo e muita dedicação, pois há sempre vários assuntos a tratar em determinados momentos do dia e tem de haver diretores disponíveis. Na atual direção estamos todos livres.
Actual direção vai concorrer às próximas eleições
Felizmente a nosso trabalho é reconhecido por todos os que gostam desta vetusta Associação. Os sócios, músicos e até a própria Cidade tem elogiado o nosso valioso trabalho. Notamos através de várias conversas que querem a nossa continuidade. Com uma ou outra alteração na composição da lista, vamos concorrer às próximas eleições. Freamunde não se pode dar ao luxo de acabar com uma Associação Histórica. Temos a obrigação e o dever de a manter.
JORNAL "GAZETA DE PAÇOS DE FERREIRA" - EDIÇÃO DE 31 DE AGOSTO DE 2017

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Cartaz Sebastianas 1993

Pra recordar as Sebastianas de 1993, que se realizaram nos dias 9, 10, 11 e 12 de Julho. Um cartaz das nossas Sebastianas de há 24 anos...Pra recordar...